segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Bolsonaro daqui a pouco - 22h30 - no Programa da Luciana Gimenez - Rede TV - Não percam

Atualização: 02 outubro 2016
Completo - Jair Bolsonaro no programa Super Pop
  31 outubro 2016 - Porta da Fama

A Grande Delação da Odebrecht vai acabar com a atual geração de políticos que manda em Brasília

​"Foi ele quem mandou pegar", parece dizer Padilha. 
O gaúcho, no entanto, avisou que o dinheiro foi contabilizado, nada foi exigido em troca e a doação estava dentro da lei.

A lista da Odebrecht atinge diretamente Lula, Dilma, Aécio Neves, José Serra, Geraldo Alcimin, Renan Calheiros, Gedel Vieira Lima, Sérgio Cabral, mas também o presidente Michel Temer. O atual presidente Michel Temer, quando ainda era vice de Dilma, participou de uma reunião com Marcelo Odebrecht no Palácio do Jaburu, na qual pediu uma doação de R$ 10 milhões para o PMDB. O dinheiro foi entregue em espécie ao hoje ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (foto acima).
Está tudo em detalhes na revista Veja deste final de semana, na reportagem intitulada "A Grande Delação".
Há pânico dentro e fora do governo, em Brasília.
E com razão.
Isto tudo porque neste fim de semana, a principal revista do país, a Veja, trouxe uma ampla reportagem sobre o que virá em breve na Operação Lava-Jato. De acordo com a revista, existe um mutirão de delações a serem feitas - todas no esquema premiado, nas quais os delatores conseguem redução de pena, caso comprovem o que dizem - incluindo do ex-presidente da empreiteira Odebrecht, Marcelo Odebrecht. Ao todo, 75 executivos da empresa pretendem falar. Tantos depoimentos serão distribuídos em mais de trezentas pastas, que contarão novas histórias sobre a corrupção sistêmica no Brasil.
Segundo a Veja, para que os depoimentos delatores dos mais de 70 executivos passe a ter valor, ainda é necessário que um documento com o Ministério Público seja assinado.

Marcelo Odebrecht e mais 50 executivos fecham acordo de delação premiada


Após oito meses de negociações, o empreiteiro Marcelo Odebrecht e pelo menos outros cinquenta executivos da construtora Odebrecht fecharam acordo de delação premiada com a Operação Lava Jato.

Seis meses com Temer ✰ Artigo de Suely Caldas

Alta das ações na Bovespa e valorização do real são provas de confiança no governo

O mercado de trabalho continua mal, a taxa de desemprego avançou para 11,8% e o número de desempregados já soma 12,022 milhões. Receita tributária em queda e déficit da Previdência em alta produziram um rombo nas contas do governo de R$ 96,633 bilhões até setembro, o maior dos últimos 20 anos. Analistas pioram suas projeções para o produto interno bruto (PIB) deste ano. Fora o leilão da Celg (distribuidora de energia elétrica de Goiás), o programa de privatizações segue lento, sem licitações à vista. Quem esperava resultados rápidos para o curto mandato de Michel Temer vê com desânimo se aproximarem os seis meses de governo. Será?
Não para a equipe de economistas levados pelo ministro Henrique Meirelles. Eles sabiam que enfrentariam um quadro econômico difícil e o difícil virou trágico ao chegarem a Brasília e mergulharem nos números. Mas não desanimaram, seguiram em frente com força para vencer o desafio. Um deles, hoje na direção do Banco Central (BC), me disse, em maio, que dez anos não seriam suficientes para organizar e começar a equilibrar as contas públicas. Logo depois o governo anunciou a PEC 241, que limita o aumento dos gastos à inflação do ano anterior ao longo de 20 anos. Mas garantiu que em relação à inflação o BC seria implacável. Em 2016 o índice deve fechar em torno de 7%, um tombo considerável comparado aos 10,67% de 2015. 
Nestes quase seis meses de gestão os índices de confiança no governo têm enfraquecido diante da demora de resultados, mas continuam positivos. A alta no preço das ações na Bovespa e a valorização do real são provas dessa confiança. O lado externo da economia evolui bem, apesar da desvalorização do dólar. 
Mas as melhores notícias vêm da Petrobrás, castigada e arruinada nos últimos anos por decisões erradas de Dilma Rousseff e pelas investigações da Lava Jato. Em menos de seis meses a estatal conseguiu bons avanços em seu plano de recuperação, seu valor patrimonial e suas ações têm apresentado rápida valorização na Bovespa e a agência Moody’s elevou sua nota de risco de B3 para B2, passando a perspectiva de negativa para estável.
Sem nenhuma pressão do governo ou alarde populista, a Petrobrás reduziu o preço dos combustíveis nas refinarias. E as mudanças na nova lei do pré-sal, que a desobrigam de custear investimentos bilionários e irreais, melhoraram o cenário financeiro para ela, abrem oportunidades de novos negócios para outras empresas, aceleram investimentos no País e expandem o emprego no setor de petróleo. Passo mais longo e demorado é tirar da estatal o vergonhoso título de campeã em dívida. Os governos do PT tanto arrancaram dela que a obrigaram a recorrer a um ritmo espantosamente acelerado de endividamento: hoje sua dívida é a maior entre as grandes empresas de petróleo e a terceira maior no mundo corporativo. 
Outra boa notícia nestes seis meses de Temer foi a aprovação, pela Câmara dos Deputados, da PEC do teto de gastos, que já tramita no Senado e deve ser aprovada e homologada antes de o ano terminar. O controle das despesas correntes do governo e a reforma da Previdência – os dois itens que mais contribuem para o déficit fiscal – constituem o primeiro importante passo de uma longa estrada rumo ao equilíbrio das contas públicas.
A PEC tem inegáveis méritos. Em primeiro lugar, trata-se de um remédio estrutural, que fugiu do modelo simples dos últimos 20 anos, segundo o qual bastava definir uma meta de superávit primário para pagar juros e, com isso, impedir a explosão da dívida pública. O estrago deixado pelos governos do PT foi tal que repetir esse modelo implicaria sacrifícios impensáveis para a população. E pior, sem chance de sucesso. Foi preciso diluir o remédio ao longo de 20 anos, mas com esperança de curar o doente.
Suely Caldas - Jornalista, professora de Comunicação da PUC-Rio, escreve quinzenalmente aos sábados.

Rio de Janeiro: confirmado, Crivella deu uma surra no "Frouxo"

Jean Wyllys gastou um milhão da LEI ROUANET

Apesar da crise, o Ministério da Cultura, comandado pelo ministro Juca Ferreira, autorizou a captação de R$ 842 mil, via Lei Rouanet, para a produção de um documentário sobre a história do deputado federal Jean Wyllys (Psol).
O parlamentar ficou famoso após vencer o Big Brother Brasil 5, da Rede Globo. Em 2010, Wyllys foi eleito deputado federal, com apenas 13 mil votos, puxado pelo alto coeficiente construído por outros candidatos do Psol fluminense. Em 2014, ele foi eleito novamente, desta vez com 144 mil.
O Ministério da Cultura vetou, recentemente, a captação de recursos para um documentário sobre Mário Covas. Em 2013, contudo, o ministério liberou a quantia de R$ 1,5 milhão para a produção de um filme sobre José Dirceu.
Desde que o PT chegou ao poder, o governo já repassou R$ 15 bilhões através da Lei Rouanet, uma Lei Federal de Incentivo à Cultura e que institui politicas públicas para a cultura nacional, como o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac).

O PT perde em todas as cidades que disputou as eleições e Santo André SP é o destaque!

O PT perdeu em todas as cidades nas quais disputou o segundo turno. 
O destaque foi para cidade de Santo André. 
O candidato petista, Carlos Grana, perdeu de lavada para o tucano, Paulo Serra.
É PARA COMEMORAR DE PÉ!

Populistas autoritários, vergonha do país: Lula e Dilma, as duas figuras mais nefastas da política brasileira não votaram

As duas figuras mais nefastas da política brasileira não votaram ontem. Antidemocráticos desde o berço, os destruidores do país fugiram das urnas, assim como fogem da população. Que não passem perto de postos de gasolina (lembrem-se de Mussolini):
Os dois últimos ex-presidentes eleitos, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) decidiram não votar neste segundo turno das eleições municipais. O PT não participa mais da disputa nas duas cidades onde eles poderiam votar: São Bernardo do Campo (SP) e Porto Alegre (RS).
A informação oficial é de que Lula decidiu não comparecer às urnas porque tem 71 anos, completados na última quinta-feira, dia 27. Conforme as regras do Tribunal Superior Eleitoral, o voto é facultativo para as pessoas acima dos 70 anos. Segundo apurou o Broadcast, contudo, a decisão do ex-presidente seria uma forma de protesto ao atual cenário político no Brasil.
A manhã foi tranquila em frente ao prédio onde ele mora, em São Bernardo. Nem ele nem familiares foram vistos. Somente seguranças do petista entraram e saíram do condomínio.
Na cidade que é governada, desde 2008, pelo petista Luiz Marinho, considerado afilhado político do ex-presidente, o candidato do PT, Tarcísio Secoli, ficou em terceiro lugar na disputa do primeiro turno. Disputam a prefeitura de São Bernardo neste segundo turno, no domicílio eleitoral de Lula, os candidatos Alex Manente, do PPS, que teve 28,41% dos votos no primeiro turno, e Orlando Morando, do PSDB, com 45,07%. 
Belo Horizonte. Já a ex-presidente Dilma não votou no segundo turno da eleição em Porto Alegre, onde tem domicílio eleitoral, pois, segundo a assessoria da petista, está em Belo Horizonte, onde foi visitar a mãe. 
No primeiro turno a ex-presidente apoiou publicamente e participou da campanha de Raul Pont (PT), que ficou em terceiro lugar com 16% dos votos. A votação de Dilma foi marcada por tumultos depois que um juiz proibiu a presença da imprensa na sessão onde a ex-presidente vota.
Estadão

Somos contra a PEC 241

Ao não votar, Lula ofende a Cidadania

Segundo Turno sacramenta derrocada do PT de Lula. Lixo ideológico e moral, expurgado pelas Urnas.
Não há como falar em Golpe, jogada burguesa ou perseguição.
A população decidiu.
Quando as Urnas falam, políticos calam.
O sinal maior.
PT perdeu em todas as Cidades do ABC Paulista. Útero gerador desse Câncer.
A máscara caiu e Lula novamente mostrou o muito que pouco vale.
Renegou o mais básico dos conceitos de Cidadania.
Usando da prerrogativa de isenção de obrigação de votar, para maiores de 70 anos e não votou no segundo turno.
Pra quem tinha dúvida da falta de caráter, pegue mais essa.
Passou a vida com discurso Populista, destacando importância do voto para Democracia, quando na verdade pensava apenas no jogo, que lhe daria o tão almejado poder.
Gostaria de saber qual seria a desculpa esfarrapada, mais uma entre milhares empurradas goela abaixo, desse ser totalmente desprovido de senso de respeito às leis, pessoas e regras de convivência.
Mas tudo bem Lula. Se a lei te faculta, respeitamos seu direito e entendemos o recado.
Você está muito velho pra votar ou para almejar um futuro na Política.
Quem abre mão de participar, perde o direito de ousar almejar cargos de gestão.
VOU ALI VOMITAR E JÁ VOLTO.
Coisas de um País que virou uma coisa. E Assim o Mundo Gira e o brasil se Afunda.

Só depois da delação da Odebrecht podemos proclamar a republica no Brasil ✰ Comentário de Marco Antonio Villa

Duas riquezas cobiçadas ✰ Artigo do Coronel José Batista Pinheiro

O OURO desde remotas civilizações é considerado o metal mais cobiçado da história da humanidade pelas suas características físicas e pelo seu valor intrínseco. Sua ocorrência acontece em quase toda a camada da crosta terrestre. Sendo que, em alguns lugares, essa ocorrência seja mais abundante do que em outras. O Brasil foi um destes lugares privilegiados desde os tempos coloniais. A Corte Portuguesa se valeu dessa riqueza em sua colônia descoberta por Pedro Álvares Cabral e, graças a sua exploração, se tornou uma das nações mais ricas da Europa. A quinta parte de todo o ouro, “o quinto dos infernos”, retirado das entranhas da terra colonial enchia os cofres dos monarcas portugueses. Até hoje esse precioso metal serve de lastro para as moedas de muitos países. Todavia, o ouro tão somente, pouco serve para a indústria atual,  pois sua maior aplicação se restringe à joalheria.
O outro metal muito cobiçado atualmente é o NIÓBIO, sendo a sua maior ocorrência exatamente em terras brasileiras em torno de 98% de todo o planeta. Esta constatação é recente e praticamente desconhecida até mesmo por inúmeros brasileiros. Vejamos alguns itens valiosos da sua aplicação e emprego em complexos artefatos da indústria moderna:
Da resistência e leveza de suas ligas fabricam-se tubos imensos para o transporte de água e petróleo;
- Muito usado em indústrias nucleares devido a sua baixa captura de nêutrons térmicos;
- Usado na indústria bélica na fabricação de armamento, belonaves, veículos terrestres e aeronaves;
- Também usado em naves espaciais interplanetárias;
- Usado em soldas elétricas de grande resistência;
- Devido a sua coloração é utilizado também em ligas metálicas para a produção de joias “percings”;
- Componente de superligas na fabricação de turbinas de aviões e foguetes que necessitam de alta resistência à combustão (pesquisas foram usadas pelos norte-americanos no programa Gemini de naves espaciais);
- Alternativas para substituir o tântalo para utilização em capacitores;
- Supercondutor quando reduzido a temperaturas criogênicas de 9,3 K;
- É um dos três elementos que são do tipo II junto com o vanádio e o tecnécio que são supercondutores quando submetidos a elevado campos magnéticos;
- E, muitos outros empregos, por nós ignorados.
Os nossos governantes viram as costas para toda essa riqueza, gerando um ceticismo inaceitável. Finalmente, a grama do ouro está cotada a R$127,00, enquanto para o nosso nióbio quem dita o preço é a atravessadora Inglaterra. Dizem que 15 kg deste metal correspondem a um barril de petróleo vendido a US$1,00. Façam as contas e tirem as suas conclusões.
José Batista Pinheiro – Cel Ref EB

Futuro do Instituto Lula

Desde junho de 2015, o Ministro Edson Fachin for sorteado como relator de um dos processos que envolve Renan Calheiros

Pois é, segundo a imprensa, há mais de um ano que o presidente do Senado, Renan Calheiros, é acusado de beneficiar uma empreiteira, suspeita de arcar com a pensão de uma filha que ele teve com a jornalista Mônica Veloso. Acreditem! Essa acusação foi apresentada  ao STF em janeiro de 2013. Nela, estão embutidos crimes de: Peculato; falsidade ideológica  e uso de documento falso por, supostamente, ter recebido PROPINA da  Construtora Mendes Júnior.
Ratificando a inoperância do STF, que quase toda população brasileira  vem proferindo. Esse inquérito, que é apenas um dos 12 dos quais Renan está envolvido – por quê? Ninguém sabe – mas o que se comenta, é que o mesmo se encontra  nas mãos do Ministro e  Relator Edson Fachin , desde junho de 2015. Todavia, os entendidos e conhecedores dos meandros da Suprema Corte, dizem que esse famigerado processo poderá entrar em pauta a qualquer momento, ou seja,  três anos  depois da acusação ter sido apresentada.
Dizem também, que  no dia 03 de novembro próximo, o STF definirá se o presidente do Senado, caso vire Réu ainda poderá permanecer no cargo. Porém, essa decisão talvez seja inviável, pois Renan está faltando poucos meses para deixar o cargo de presidente do Senado.
Entenderam a questão da coisa?

Luiz Felipe Pondé dá uma surra épica no Lula

O filosofo e escritos ,Luiz Felipe Pondé, dá entrevista a TV Cultura e, 
como um um dos seus belos ensaios, ele da uma surra no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Sem saída, o Brasil esta entregue ao crime organizado

​Leiam a IstoÉ desta semana

Vivendo um momento de segundo turno das eleições municipais, lendo, ouvindo a imprensa, e os comentários na família e nas redondezas do lar, chega-se a conclusão, que o crime organizado assumiu definitivamente as rédeas que conduzem o Brasil.
A coisa está tão acintosa, que a piada pronta e mais disseminada entre as pessoas é que: “o brasileiro quando nasce, recebe uma palmada na bunda e um carimbo na testa: “LADRÃO”. Só que com o passar do tempo, alguns, ficam envergonhados, apagam o carimbo e vivem honestamente, mas em compensação, tem outros que ainda passam óleo de peroba para que a testa continue brilhando mais e mais. 
Creiam! Quem ler as revistas semanais passa por uma verdadeira tortura e fica-se estarrecido com tanta corrupção, mentiras e o cinismo desse pessoal, que diz comandar a Nação brasileira. 
Portanto, acredita-se que esse país, talvez seja o único no mundo no qual se:
- Mantenha um sujeito, com mais de 10 processos tramitando na Suprema Corte, como presidente do Congresso Nacional;
- Conheça uma Suprema Corte tão inoperante e desacreditada;
- Tenha um ex-presidente com visíveis características do mafioso Al Capone e, que usando de malandragem e esperteza, demonstre ser mais escorregadio do que peixe ensaboado;
- Disponha de uma Justiça que, desmoralizada por bandidos e mafiosos ainda seja complacente e escute calada as suas reclamações e ofensas;
- Aceite a corrupção e o roubo como o mote de boa parte do seu povo, que no dia a dia só pensa em levar vantagem e “passar a perna” no seu próximo;
-Tenha uma coisa chamada de FORO PRIVILEGIOADO, que na sua essência, só tem servido para proteger corruptos, bandidos de alta periculosidade e um bando de políticos, que, sem nenhum pudor, gozam de mordomias e recebem salários assombrosos, só para não fazer nada e sempre que podem ainda tiram proveito em beneficio próprio.
- Veja milhares de pessoas nas ruas celebrando uma parada Gay, blocos carnavalescos, mas que ficam em casa, amedrontadas, quando se trata de impor a saída de corruptos e mafiosos do poder.
ACREDITEM! POSSO ATÉ NÃO DESISTIR DO BRASIL, MAS NA SITUAÇÃO ATUAL, MORRO DE VERGONHA DE SER BRASILEIRO!

O motoqueiro é um irresponsável, mas tem uma pontaria...

Forças Armadas são a instituição em que a população mais confia, diz pesquisa

As Forças Armadas são a instituição em que a população brasileira mais confia, segundo o Índice de Confiança na Justiça, produzido pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas e divulgado hoje (28). Segundo o índice, 59% dos entrevistados disseram confiar nas Forças Armadas.
Atrás das Forças Armadas, em sequência, estão a Igreja Católica (57%), a imprensa escrita (37%), o Ministério Público (36%), as grandes empresas (34%) e as emissoras de TV (33%). Para o índice, foram entrevistadas 1.650 pessoas residentes nas capitais e regiões metropolitanas do Distrito Federal, Amazonas, Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo durante os primeiros seis meses deste ano.
Apenas 29% do total de entrevistados acredita no Poder Judiciário e 25% na polícia, seguido pelos sindicatos (24%) e redes sociais (23%). A Presidência da República é acreditada por apenas 11% da população, o Congresso Nacional por 10% e os partidos políticos por 7%.
Para Luciana de Oliveira Ramos, coordenadora do estudo, a piora no desempenho da Presidência, dos partidos e do Congresso, embora estes sempre se apresentem com índices baixos de confiança, se deve ao contexto político do período. “A ampla exposição do funcionamento dessas instituições na mídia seguramente provocou um impacto negativo na avaliação da população”, disse ela.
Judiciário
O Índice de Confiança na Justiça foca principalmente na confiança da população no Judiciário. Em uma escala de 0 a 10, a nota recebida por este Poder no primeiro semestre deste ano foi 4,9 pontos.
O questionário perguntou também aos entrevistados qual a percepção de honestidade dos agentes da lei. Para metade dos entrevistados (50%), os juízes são honestos, enquanto 46% responderam o mesmo para os policiais e 41% para os advogados.
A maioria dos entrevistados (74%) também disse que as pessoas devem seguir a lei, mesmo quando a mesma é contrária ao que elas acreditam serem correto e 56% acreditam que uma pessoa deva seguir a ordem dada por um policial, mesmo discordando dele.
A pesquisa também apontou que 81% das pessoas ouvidas acham que, sempre que possível, as pessoas dão um “jeitinho” de não seguirem as leis e 76% responderam que é fácil desobedecer a lei no país.

A garota da foto ✰ Lembra da garotinha correndo nua na guerra do Vietnan?

Recorde  a história da menina que foi fotografada correndo nua na guerra e veja como ela está hoje...

Em Porto Alegre, a onda azul mostrou que veio para ficar ✰ Opinião de políbio Braga

A acachapante vitória do candidato Marchezan Júnior, PSDB, veio na voragem da onda azul que varre o mundo ocidental, com ênfase para esta parte latino-americana.
A onda azul é a expressão da superioridade da racionalidade na gestão pública sobre o voluntarismo, a demagogia, o populismo, o estatismo, o patrimonialismo e o corporativismo.
O fenômeno eleitoral já tinha ficado bem claro na disputa do primeiro turno, quando políticos da esquerda, de corte marxista e neomarxista, foram inapelavelmente derrotados por candidatos decididamente comprometidos com o estado democrático de direito e a economia de mercado.
No caso de Porto Alegre, comandado justamente por um prefeito marcadamente de esquerda, somou em prejuízo do candidato oficial, Sebastião Melo, PMDB, um homem de vertente democrática, a fadiga dos materiais, mas sobretudo uma gestão que não conseguiu completar obras que a consagrariam no caso de conclusão, mas que a condenaram ao final e ao cabo. Como se sabe, a avaliação do desempenho do prefeito José Fortunati, vinha sendo muito mal pontuada, e a história de eleições anteriores demonstram que isto é recorrentemente fatal para os candidatos da situação. Neste sentido, o vice Sebastião Melo foi até bem melhor do que as circunstâncias poderiam apresentar.
Ao final e ao cabo, Porto Alegre demonstrou que não quer mais ser governada pela esquerda de corte marxista e neomarxista, condenada às profundezas do inferno pelas heranças malditas deixadas pela ex-presidente Dilma Roussef e pelo ex-governador Tarso Genro, mas também pelas ruinosas administrações de Raul Pont, João Verle, Olívio Dutra e Tarso Genro, na prefeitura da Capital.
Polibio Braga

Boa Noite Israel!

Dorme Tranquila Terra Santa!

PGR conduz investigação sigilosa sobre Romário, diz colunista

A Procuradoria-Geral da República (PGR) está investigando o senador e ex-jogador de futebol Romário (PSB-RJ). O órgão tem averiguado, de forma sigilosa, se o 'baixinho' Romário teve uma conta não declarada no banco suíço BSI. A instituição pertencia ao BTG Pactual e teve que ser vendido em fevereiro deste anos, depois que o banqueiro André Esteves acabou sendo preso na Operação Lava-Jato.

Mansão milionária de Lula no Uruguai também passou por reforma milionária

Pelé fica em pé com dificuldade e não consegue mais andar nem usando bengala

Ex-jogador enfrenta problemas de locomoção mesmo após duas cirurgias no quadril

Um dos maiores craques do futebol brasileiro, Pelé vem passando por sérias dificuldades físicas. O ex-atleta, que precisou recusar o convite de acender a pira olímpica durante a abertura dos Jogos Olímpicos 2016, no Rio, agora não está conseguindo mais andar nem com a ajuda de bengala, como vinha usando. Segundo a coluna "Gente Boa" do jornal "O Globo" deste domingo (30), Pelé está com dificuldade até mesmo para ficar de pé.
Aos 76 anos recém-completados, Pelé, que se casou pela terceira vez em 2015 com Márcia Cibele Aoki, foi vítima de uma mal sucedida cirurgia no quadril. Na ocasião, Edson Arantes do Nascimento chegou a falar em erro médico e, por isso, teve que fazer uma nova intervenção cirúrgica. Além dessas, Pelé operou a coluna ano passado e, quando deixou o hospital, afirmou que estava se preparando para participar da Olimpíada, o que acabou não acontecendo.

XVII Trilha de Vacaria - Vacaria RS

Imunização dos homens contra HPV ajuda na prevenção do câncer nas mulheres

A vacina contra o vírus do papiloma humano, HPV, é conhecida por proteger as mulheres do câncer de colo de útero, o quarto tipo mais comum da doença entre o sexo feminino. Mas, a partir de 2017, ela estará disponível na rede pública também para os meninos. “A lesão maior, que é o câncer no colo do útero, é nas mulheres. Mas quem transmite o HPV é o homem”, afirma Cecília Roteli, membro da Comissão Nacional de Vacinas da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).
No primeiro ano, a idade para imunização será entre 12 e 13 anos. Até 2020, pretende-se ampliar o grupo para de 9 a 13 anos. “Além das verrugas genitais, tanto nas mulheres quanto nos homens – lesões ‘benignas’, que não levam ao câncer – nos meninos ela vai proteger contra alguns tipos de câncer, como o de pênis ou da região anal”, explica Cecília. Além disso, o HPV também pode provocar lesões pré-cancerosas, ou seja, que podem se desenvolver e se transformar na doença.
A importância da vacinação fica ainda mais evidente quando se ressalta que aproximadamente 80% das pessoas sexualmente ativas vão entrar em contato com o vírus. “A maioria delas vai eliminar espontaneamente essa infecção. Uma pequena parte vai ter uma persistência que vai causar uma lesão no futuro”, afirma Cecília.
Entre os homens, o diagnóstico pode ser ainda mais complicado do que nas mulheres, já que não há sintomas quando a lesão não causa verrugas genitais. “Ele passa sem perceber, justamente os vírus chamados oncogênicos, que causam câncer. Os exames para diagnosticar existem, mas são muito caros e, por isso, não estão disponíveis para a população em geral”, diz a especialista.
Idade
É recomendado que a vacina seja aplicada antes do início da vida sexual, já que ela é profilática, ou seja, impede que haja infecção pelo vírus. Entretanto, muitos pais e mães têm receio de que seus filhos vejam a vacinação como uma ‘autorização’ para iniciar a vida sexual precocemente. Cecília alerta que essa mentalidade não pode prevalecer. “Você vai dar a vacina para evitar uma infecção nos seus filhos.”
A partir dos 15 anos, a vacina precisa ser dada em três doses. Antes disso, são apenas duas. Não há limite de idade para se imunizar, mas Cecília alerta que, para os mais velhos, a vacina vai proteger apenas contra os tipos de HPV com os quais a pessoa ainda não teve contato. “É difícil que o adulto tenha entrado em contato com todos os tipos. Por isso, se você tiver a oportunidade, não hesite em se vacinar”. 
Estadão

31 de Outubro - Dia da Canção Criola

domingo, 30 de outubro de 2016

Força-tarefa da Lava-Jato investiga dois filhos de Cunha

​Danielle Dytz da Cunha e o irmão Felipe Dytz da Cunha

As investigações da Operação Lava-Jato sobre supostos crimes do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) passaram agora a atingir mais um filho do deputado: Felipe Dytz da Cunha. O Ministério Público Federal apura se Felipe e a irmã Danielle Dytz da Cunha, ambos filhos do primeiro casamento do ex-deputado, cometeram atos de corrupção e lavagem de dinheiro no esquema montado pelo pai.
A força-tarefa de Curitiba passou a investigá-los depois de descobrir que a GDAV, empresa em nome de Felipe e Danielle, recebeu R$ 1 milhão da Gol Linhas Aéreas entre 2012 e 2015. Os recursos foram intermediados pela agência Almap Publicidade e Comunicação, conforme documentos que deram base ao pedido de prisão de Cunha, apresentado pelo Ministério Público. No mesmo período, empresas vinculadas ao grupo Gol Linhas Aéreas repassaram mais de R$ 2 milhões a Jesus.com e C3 Atividades de Internet, empresas em nome de Cunha, Danielle e Cláudia Cruz, atual mulher do ex-parlamentar.
Até ser preso, na semana passada, Cunha deixava claro que estava preocupado com os avanços da Lava-Jato, mas o que mais queria era preservar a mulher e os filhos. Os laços financeiros dele com a mulher Cláudia Cruz já estavam em investigação avançada. Mas a descoberta das movimentações nas contas dos filhos o deixou alarmado na prisão.
Danielle já vinha sendo investigada pelo uso de um cartão de crédito lastreado em um das trusts de Cunha, mas seus advogados avaliavam que ela poderia não ser denunciada, pois havia recebido o cartão como filha e não tinha qualquer responsabilidade pelas movimentações financeiras do pai. Agora, a situação é diferente.
A avaliação de Cunha é que, ao contrário do que ocorreu quando surgiram as primeiras denúncias contra Danielle, agora será difícil convencer o Judiciário de que ela e Felipe — maiores de idade e sócios da empresa — não tinham conhecimento de que a empresa deles estava sendo usada para lavagem de dinheiro, fruto de atividades ilegais.
No pedido para a prisão realizada na semana passada, os procuradores do caso informam que não há qualquer indício de que a GDAV e a Jesus.com “tenham prestado algum serviço efetivo de publicidade compatível com os valores repassados” às duas empresas. A descoberta deve levar para o centro das investigações também os donos da Gol Linhas Aéreas. Eles deverão ser chamados para explicar os repasses a Cunha e aos filhos do ex-deputado. Os procuradores suspeitam que os pagamentos seriam parte de suposta propina da Gol para Cunha no período em que ele era um dos parlamentares mais influentes do Congresso Nacional. 
O GLOBO tentou localizar Felipe e Danielle, por intermédio dos advogados de Cunha, mas não obteve sucesso.
Ontem, a Justiça Federal em Brasília negou pedido de Cláudia Cruz para participar do programa de repatriação e regularização de recursos enviados ilegalmente ao exterior. Cláudia recorreu à Justiça porque a Receita Federal negou pedido feito por ela para regularizar dinheiro mantido no exterior. A decisão da juíza Diana Maria Wanderlei da Silva, da 5ª Vara da Justiça Federal, é liminar e ela ainda vai julgar o mérito da ação, o que não tem data para ocorrer.
Na ação, Cláudia afirma que tem união estável com Eduardo Cunha e que preenche os requisitos legais para aderir ao programa, mas, mesmo assim, teve pedido rejeitado pela Receita. Ela afirma ainda “que não pretende discutir a origem lícita dos recursos, bens ou direitos que possui, mas apenas aderir ao regime especial, uma vez que tem o acesso vedado”. O prazo para adesão ao programa vence no dia 31 deste mês.
Para a juíza, no entanto, a lei é clara ao não permitir que autoridades e seus cônjuges se beneficiem do programa de repatriação. A magistrada citou resolução da Receita Federal que diz que não podem aderir ao programa parentes de pessoas que ocupavam função pública em março de 2015 — quando Eduardo Cunha ainda era deputado.
A juíza observou ainda que a lei exige que os recursos a serem repatriados tenham origem lícita. A magistrada citou a denúncia do Ministério Público Federal no âmbito da Operação Lava-Jato, que afirma que o dinheiro de Cláudia Cruz no exterior tem como origem propina supostamente negociada pelo marido.
“Portanto, há indícios veementes, e que precisam ser esclarecidos, de que os recursos, bens e direitos, os quais a demandante pretende a regularização como lícitos, podem ser oriundos da persecução de crimes perpetrados, e, por conseguinte, não sejam de titularidade da parte autora, se forem considerados ilícitos”, diz a juíza.
Também ontem, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal parecer contrário à participação de político e seus parentes no programa de repatriação de recursos encaminhados ilegalmente ao exterior.
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negou ontem um pedido de liberdade feito pela defesa de Cunha no início da semana. Cunha está detido na carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba desde 19 de outubro. O desembargador responsável pelo julgamento do habeas corpus citou desprezo à lei e à Justiça, ao dizer que o ex-presidente da Câmara pode ter recebido propina enquanto era parlamentar.

Invasão nas Escolas. PM e Exército neles ✰ Comentário de Joice Hasselmann

A situação exige mão forte! No Paraná, clima é de guerra!!!

A falência da segurança pública ✰ Artigo de Luís Alberto Thompson Flores Lenz

Da leitura de reportagem de Zero Hora do dia 25/10/2016, intitulada "Alternativas para conter facções", o sentimento dali proveniente é de completo desânimo e desalento.
Primeiro, porque nela está reconhecido, em letras garrafais, o que todos nós sabíamos, mas não tínhamos coragem de dizer, ou seja, que a mera alusão à transferência dos presos que lideram as facções para outros Estados poderia "alterar o gerenciamento do atual sistema prisional gaúcho — em que os próprios presos regulam o funcionamento de muitas das galerias".
Isso demonstra, por si só, a falência de todos os órgãos públicos afetos ao encarceramento dos condenados, de qualquer dos poderes e instituições, que "convivem" com tal iniquidade, a qual, salvo melhor juízo, beira a prevaricação.
Não se pode conceber e aceitar que os próprios bandidos detenham o poder dentro de um estabelecimento prisional, ainda que de forma parcial, sob pena de se admitir, no futuro, que eles mesmos fixem as suas penas, prestem informações a respeito de seu comportamento carcerário, decidam sobre a concessão de progressões de regime e benefícios, indiquem o diretor do presídio etc.
Tais tarefas são a própria razão de ser do Estado moderno, sendo que a sua delegação a terceiros, notadamente aos condenados, ensejou a barbárie em que nos encontramos inseridos.
Resta saber quem firmou tal "acordo" de "convivência" com a bandidagem, e quando os gestores públicos esperam romper com essa situação absurda.
Esse, obviamente, é o primeiro passo para o resgate da ordem pública na sociedade brasileira, na medida em que os crimes cometidos aqui fora, em grande parte, são concebidos e arquitetados dentro da própria cadeia.
Para encerrar, faz-se mister advertir que além de melhores condições físicas, só a retomada da autoridade pública pode viabilizar credibilidade ao sistema prisional e segurança para coletividade como um todo.
Luiz Alberto Thompson Flores Lenz - Promotor de Justiça - RS

Você percebe que a coisa no Brasil tá feia, quando...

O que eu penso de tudo isso ✰ Artigo do General Brigada Paulo Chagas

Caros amigos
Michel Temer assumiu o governo de um país destroçado física e moralmente. Contaminado por uma corrupção endêmica, consequência de décadas de convivência com a impunidade planejada e regulamentada pelos principais beneficiários do desmando e do desvio de recursos dos desatentos pagadores de impostos.
Não há como não associá-lo ao sistema corrupto. Poucos políticos escapam. O PMDB, seu partido, o maior em um universo de quase 40, desde a constitucionalização do ambiente favorável ao enriquecimento ilícito, é, de alguma forma, aliado da situação ou, no mínimo, um observador atento e conivente que, quando fora do papel de predador alfa, cumpriu com louvor o papel de hiena no aproveitamento das rebarbas do butim.
Já disse e repito, Temer não é o cavalo que os brasileiros gostariam de montar para superar os obstáculos desta prova, mas é o que lhes restou por efeito da lei e o que passou encilhado por obra da oportunidade de montar e fazer valer a sua vontade.
Temer recebeu seu mandato de onde emana todo o poder, isto é, de quem, finalmente, quer vê-lo exercido em seu nome e em seu benefício. Mudaram-se as atitudes, esgotou-se a tolerância, iniciou-se um trabalho heroico de faxina que sobrevive graças ao aplauso, ao entusiasmo e à revolta do povo - o verdadeiro e máximo poder, único capaz de intimidar políticos meliantes.
Nada disso, no entanto, foi, ainda, suficiente para mudar o ambiente, o caldo de cultura em que a política e a justiça são exercidos no Brasil, porque há um rito de legalidade a ser seguido no processo de mudança. O resultado das eleições municipais testemunha a mudança e legitima o processo.
Temer sabe que chegou ao ápice de sua trajetória política e que só tem essa chance para não passar à história da mesma forma patética como estão a passar aqueles a quem substituiu. Ele não tem apenas que concluir o mandato, mas tem que direcionar o futuro para as inevitáveis e dolorosas soluções.
Temer conhece muito bem o meio em que fez sua carreira e no qual busca exercer seu mandato. Sabe muito bem o significado de “presidencialismo de coalisão”, sabe que, para que o processo de mudança que lhe impõem a sociedade e as circunstâncias tenha sucesso, tem que continuar a transitar, a conviver e a sobreviver no mesmo ambiente de falsidade e hipocrisia em que fez e consolidou sua bem adaptada carreira política.
Tudo isto eu entendo e aceito como inevitável, no entanto, não sendo político, mas apenas um soldado, comprometido, antes de mais nada, com o Brasil, causa-me náuseas vê-lo, em nome da “governabilidade” – isto é da negociação com os bandidos - cercar-se de pessoas que fatalmente, mais cedo ou mais tarde, terão que responder por seu envolvimento nos ilícitos que os brasileiros querem, a qualquer custo, ver alijados da política nacional.
Causa-me repulsa seu empenho em harmonizar ao nível máximo da hipocrisia as relações entre os presidentes do Senado e do STF, como se as fagulhas desse entrechoque, que acabaram por desmoralizar um Juiz de primeira instância e o seu Ministro da Justiça e por desgastar a Polícia Federal, pudessem interferir nos interesses imediatos e inadiáveis do País.
É decepcionante a sua omissão diante do abuso de crianças por parte de uma corja de malfeitores de esquerda, usadas como massa de manobra para ocupar escolas públicas, para desvirtuar a educação, impedir o ensino e desmoralizar os princípios básicos da moral cristã, visando a desestabilizar o próprio governo!
É angustiante vê-lo comportar-se como refém das circunstâncias, pisando em ovos e negociando de calças arriadas o que todos sabem que não pode deixar de ser feito. Será este um comportamento necessário? Serão estas e outras as atitudes a serem tomadas?
Como disse, sou apenas um soldado, um cidadão que por convicção e formação tem os interesses do Brasil acima de tudo e que esperava dele um comportamento mais firme e condizente com o poder e com a missão que recebeu, o que, embora justifique a minha ansiedade e o meu mal-estar, não me impede de torcer para que o errado seja eu.
Paulo Chagas - General Brigada

Renan Calheiros é um "bandido, corrupto e ladrão". "Em país sério estaria preso" ✰ Comentário de Marco Antonio Villa

Apoiado pelo povo, Moro não se intimida e marca audiência com testemunhas de acusação de Lula

Sem se intimidar com a pressão que lhe direciona a defesa do ex-presidente, ex-palestrante, réu e ator Lula da Silva, o juiz Sérgio Moro, marcou nesta sexta-feira (28) as audiências de testemunhas na ação penal a que “o Artista”, sua mulher, Marisa Letícia, e outras seis pessoas respondem na Operação Lava Jato.
Com isso, os depoimentos de testemunhas de acusação e de defesa de Lula e dos demais acusados serão realizados nos dias 21, 23 e 25 de novembro em Curitiba, onde as investigações estão centralizadas.
Entre os depoentes, estão figuras de peso na Operação Lava Jato, ou seja, os réus que assinaram acordos de delação premiada como: o ex-senador petista Delcídio do Amaral, o empresário Fernando Baiano e os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró e Pedro Barusco, além do ex-deputado federal Pedro Corrêa. 
Parece que dessa vez, ou Lula foge ou o bicho vai pegar. 
Estão até inventando, que a Organização das Nações Unidas - ONU irá intervir no caso da ação penal contra o famigerado “Lula Brahma”. Creiam! É tudo balela e/ou “conversa pra boi dormir”. A ONU não pode nem deve querer reverter um processo criminal tão perfeito como vem sendo elaborado pelo competente, inteligente e corajoso Juiz Sérgio Moro.
O comentário nos botecos do país e que: Marisa Letícia, esposa de Dom Lulone, está apavorada por ter que depor na justiça a respeito do triplex.

Pitanga, fruta venenosa

Em Porto Alegre, anos 60 ✰ Artigo de Percival Puggina

​Centro iluminado de Porto Alegre, década de 1960

Não é para me exibir, mas eu vivi, amei e curti a Porto Alegre dos anos 60. E isso me dá uma boa perspectiva para perceber a involução dos padrões de segurança, conduta social e qualidade de vida no Brasil. O que vou contar fala daqui, mas pode se referir a qualquer das nossas grandes cidades.
Em 1964, minha família morava na avenida dos jacarandás floridos, a José Bonifácio, recanto privilegiado da cidade, que, em toda sua extensão, confronta com o belo Parque Farroupilha. Era, então, uma rua tranquila, cujos moradores dispunham do maior jardim da cidade, em usufruto, na soleira da porta. A Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRGS, onde ingressei naquele ano, situa-se no lado oposto do parque, que tem forma triangular. Nós morávamos na base e a faculdade ficava pouco além do vértice superior. Pelo centro do parque, naquela direção, abre-se um eixo monumental, cercado de densa vegetação e árvores de grande porte. Ou seja, eu tinha à minha disposição, para ir e retornar da faculdade, iniciando a poucos passos do edifício onde morávamos, essa paisagem privilegiada para a travessia de uns 700 metros.
As aulas do curso de arquitetura se desenvolviam em dois turnos cheios, diariamente, pela manhã e à noite. Durante a tarde, eu trabalhava. Portanto, o caminho que acabei de descrever foi percorrido por mim durante cinco anos, quatro vezes por dia, inclusive no turno da noite, que se encerrava por volta das 23 horas. Aos sábados, como frequentador das reuniões dançantes da faculdade e dos bailes da Reitoria - que se situava exatamente na ponta do triângulo - o retorno à casa e ao leito ficava lá pelo meio da madrugada. Eu andava por esse deserto caminho, diariamente, a pé e só!
Não estou narrando um fato excepcional, um caso raro de sobrevivência na selva urbana, nem se intua dele qualquer proteção especial que credencie meu anjo da guarda a uma medalha de honra ao mérito (ainda que ele as mereça, e muitas, por outros motivos). Tratava-se de algo absolutamente normal, seguro. Tão seguro, leitor amigo, que em momento algum, ao longo desses cinco anos, suscitou a mais tênue preocupação, seja em mim, seja em dona Eloah, a mais zelosa e preocupada das mães desta província.
O que aconteceu com nosso país em meio século foi um desastre demográfico, social, econômico, político e moral. Engana-se quem imagina que seja assim em toda parte. Não, não é. Tenho periódicos reencontros com essa segurança em outros países, quando em férias. Neles não renovo mais a pergunta que algumas vezes fiz, indagando aos "nativos" se era seguro passear em determinado parque ao fim da tarde, ou ir a pé até tal ou qual restaurante à noite. O espanto que a indagação causa me constrange profundamente. Tanto quanto me entristece saber que nos rendemos de modo incondicional aos males que nos afetam. E o fizemos em nome de uma tolerância sem virtude, de uma liberdade sem rumo e de um progresso falido.
Percival Puggina - membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.

Lula agora persegue Polícia Federal e Palocci é denunciado ✰ Comentário de Joice Hasselmann

É de cair o queixo! Espinha ereta, delegado e Lula na cadeia.

Segundo turno das eleições municipais terá reforço de 13 mil militares das Forças Armadas

Ação tem finalidade de manter as condições necessárias para que a população possa votar com tranquilidade

Cerca de 13 mil militares da marinha, exército e aeronáutica vão reforçar a segurança e garantir o processo de votação e apuração do 2º turno das eleições municipais. A ação tem o objetivo de manter as condições necessárias para que a população possa exercer a cidadania e votar com tranquilidade no próximo domingo (30).
Das 55 cidades que terão pleito eleitoral no País, até o momento, 12 contarão com as Forças Armadas a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além do efetivo de 13 mil, outros 3,6 mil militares irão compor um contingente reserva, que poderá ser acionado em caso de necessidade. 
Para o Nordeste, foi solicitada a presença das tropas nos estados do Maranhão e Ceará, onde o efetivo será de cerca de 4,2 mil militares do exército. Desse total, 600 serão alocados em São Luís e 3,6 mil em Fortaleza.
Já na Região Sudeste, o pedido do TSE para atuação das Forças Armadas foi para o estado do Rio de Janeiro. Lá, cerca de seis mil militares atuarão em seis municípios: Rio de Janeiro, Belford Roxo, Nova Iguaçu, São Gonçalo, Niterói e Duque de Caxias.
Na Região Sul, as Forças Armadas atuarão no Paraná, nas cidades de Curitiba, Ponta Grossa e Maringá, com aproximadamente 1,5 mil militares.
Na Região Norte, apenas a cidade de Manaus contará com o apoio de tropas federais. Cerca de mil militares deverão reforçar a segurança nos locais de votação e apuração.
Para cumprir com suas funções, serão utilizadas 777 viaturas, sendo 14 blindados, sete aeronaves da marinha, do exército e da aeronáutica, sendo quatro helicópteros.
Primeiro turno
Na área de atuação das Forças Armadas, as eleições ocorreram sem intercorrências relevantes. No primeiro turno, foram empregados cerca de 25,4 mil militares da marinha, do exército e da aeronáutica em 498 localidades de 16 estados brasileiros, tanto no apoio logístico quanto na segurança.
Coube ao Ministério da Defesa a coordenação do emprego das Forças Armadas nas eleições, bem como a interlocução com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Para atuação das Forças Armadas no pleito deste ano, o presidente Michel Temer assinou um decreto, publicado no dia 23 de agosto, em que autorizou o emprego dos militares para a garantia da ordem pública, a fim de assegurar a votação e apuração das eleições.

Querem mexer na nossa aposentadoria. E na deles?

Se todos são iguais a Lei, eu também quero ter Foro Privilegiado

A Constituição brasileira diz em seu Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguinte.
“O Foro privilegiado – o nome tecnicamente correto é foro especial por prerrogativa de função – é um mecanismo pelo qual se altera a competência penal sobre ações contra certas autoridades públicas. Ou seja, uma ação penal contra uma autoridade pública é julgada por tribunais superiores, diferentemente de um cidadão comum, julgado pela justiça comum”.
Esse famigerado foro privilegiado, não contraria o PRINCIPIO DE IGUALDADE? Pode-se dizer que sim. Não há como negar que o foro privilegiado é uma quebra do princípio de que todos são iguais perante a lei e que, portanto, estão submetidos a ela da mesma forma. Por que, então, foi criado o foro por prerrogativa de função?
A intenção foi uma, mas atualmente essa coisa absurda está sendo usada para esconder e proteger bandidos. Lembram-se do caso do BESSIAS? Pois é, se o povo Brasileiro quer realmente ter um país sério, tem que ir pras ruas e impor a eliminação do FORO PRIVILEGIADO.
Por exemplo: Renan Calheiros, Presidente do Senado e, segundo na sequência para ocupar o cargo de Presidente da Republica, é alvo de pelo menos, ONZE Inquéritos na Suprema Corte do País, mas por ter foro privilegiado, assim como uma penca de mafiosos de alta periculosidade, estar totalmente protegido das investidas da Lei. 
Fora! Esse tal de foro privilegiado. Vamos pra rua, meu povo!

Genitor 1. Genitor 2. Uai, pode?

Raul Pont e Luciana Genro poderão sofrer nova derrota eleitoral neste segundo turno

Raul Pont e Luciana Genro pregam o voto nulo em Porto Alegre. Campanhas como a do lado, rolam nas redes sociais.

Caso os votos nulos no segundo turno não superem a casa dos 34,89% do eleitorado de Porto Alegre, os candidatos derrotados no primeiro turno, Raul Pont, PT, e Luciana Genro, Psol, sofrerão novo vexame na Capital do RS, porque ambos pregam abertamente o voto nulo.
Raul Pont e Luciana Genro somaram 28,4% dos votos no primeiro turno.
São estes 28,4% que ambos querem somar aos 34,89% que anularam o voto no primeiro turno.
No primeiro turno, as urnas revelaram um crescimento vertiginoso no número de votos em branco, nulos e de abstenções em Porto Alegre, em um sinal de insatisfação popular com a classe política. A quantidade de votantes que se recusaram a escolher um candidato chegou a 382,5 mil eleitores — cifra mais alta do que a alcançada pelo primeiro colocado, Nelson Marchezan, que contabilizou 213,6 mil votos.
Isso representa 34,8% do eleitorado.
"Anular o voto é o mesmo que votar em quem está na frente", avisou o promotor Rodrigo Zílio, coordenador do Gabinete de Assessoramento Eleitoral do Ministério Público do RS. "Voto nulo é concordar com a maioria", disse Zílio.

Pilates

Como o xixi virou o principal inimigo da igreja mais alta do mundo

Após erosão na fundação do prédio, autoridades de Ulm, na Alemanha,
 tentam conter frequência com que homens urinam em suas paredes.

A cidade alemã de Ulm está tomando medidas desesperadas para impedir que homens continuem urinando nas paredes da Catedral de Ulm.
O problema está afetando a fundação de pedra da igreja, que é conhecida por ter a torre mais alta do mundo.
Os sais e ácidos da urina estão acelerando o processo de erosão do edifício, segundo relataram os responsáveis pela conservação da igreja ao jornal local "Südwest Press".
A cidade de Ulm chegou a dobrar o valor das multas para aqueles que forem flagrados fazendo xixi nas paredes históricas, que passou a ser de 100 euros (R$ 346) no início deste ano, mas a medida surtiu pouco efeito.
"Já faz meio ano que venho monitorando o local, mas, ainda assim, volta e meia as paredes ficam cobertas por urina e vômito," afirmou Michael Hilbert, chefe do departamento de manutenção da igreja.
Ele disse ao jornal não ser da "Pinkelpolizei" - "polícia do xixi" em alemão -, mas que gostaria de ganhar autoridade para poder combater o problema. "Se trata de uma questão de ordem legal", afirmou.
A torre da igreja mede 161 metros e 53 centímetros. Devido ao seu tamanho imponente, o prédio sempre é mencionado como catedral, embora não seja oficialmente uma. Sua base, composta de arenito, passou recentemente por restauração.
A área em torno da igreja é usada para eventos ao longo do ano. Hilbert diz que os organizadores deveriam disponibilizar banheiros químicos gratuitos para que os homens parem de recorrer à estrutura gótica para urinar.
Uma porta-voz da prefeitura da cidade afirmou que as patrulhas da polícia no local foram intensificadas.
Ela admite que o aumento das multas não surtiram o efeito desejado, mas afirmou ao jornal que recentemente quase ninguém foi pego cometendo o ato ilícito. De acordo com a representante, o problema deve persistir "enquanto existirem pessoas".
A Catedral de Ulm deve perder o posto de igreja mais alta do mundo assim que as obras da Sagrada Família, em Barcelona, forem concluídas, o que deve ocorrer em 2026.
Quando pronta, a obra-prima de Gaudí deve atingir a altura de 172 metros e 50 centímetros.

Jair Bolsonaro agradece pelo apoio no caso do STF

Ministro do Vaticano, Cardeal George Pell, acusado de abusos sexuais de menores, é interrogado pela polícia australiana em Roma

Foto de 13 de novembro de 2012 mostra o cardeal George Pell exibindo sua resposta 
à arquidiocese sobre uma acusação de abuso sexual em Sidney, na Austrália

O cardeal George Pell, secretário de Finanças do Vaticano e principal representante da Igreja Católica na Austrália, foi interrogado pela polícia em Roma por uma investigação sobre abusos sexuais de menores de idade, informaram nesta quarta-feira (26) as autoridades.
A polícia do estado de Victoria informou em um comunicado que três oficiais "viajaram a Roma na semana passada e o cardeal George Pell participou voluntariamente em um interrogatório a respeito das acusações de abuso sexual".
"Após o interrogatório, as investigações devem prosseguir. Não estamos preparados para fazer mais comentários neste momento", completa a nota.
Em julho, o canal Australian Broadcasting Corporation denunciou várias acusações de abusos de menores contra Pell.
Entre as acuações contra Pell estão os depoimentos de dois homens, atualmente na casa dos 40 anos, que afirmam ter sido apalpados pelo cardeal no verão de 1978-79 na cidade de Ballarat.
De acordo com outro depoimento, Pell teria ficado nu diante de três meninos com idade entre 8 e 10 anos no vestiário de um clube de surge no verão de 1986-1987.
Pell nega todas as acusações e denuncia um complô contra o seu nome.

O tempo COMPROVOU que ela estava realmente FALANDO A VERDADE!

Bebida alcoólica com energético tem o mesmo efeito que cocaína, aponta estudo

Vodca com energético já virou um clássico das baladas, mas pode ser uma bomba para os adolescentes. Pesquisadores da Universidade Purdue, em Indiana, EUA, fizeram testes com os cérebros de ratos adolescentes (já que não poderiam fazer o mesmo com humanos) e observaram mudanças químicas em suas massas encefálicas muito parecidas com os efeitos da cocaína.
Uma lata de energético pode ter até 10 vezes mais cafeína do que um refrigerante comum – e costuma ser procurada por adolescentes para curtir uma noitada. Já se sabia que os jovens que consumiam energético (mesmo sem misturá-lo com outras bebidas) têm mais chance de virarem consumidores de álcool quando adultos. Mas, quando o energético é tomado com álcool ainda durante a adolescência, o centro de recompensas do cérebro é alterado – e os jovens sentem mais dificuldade em lidar com substâncias prazerosas. Os efeitos podem durar até a vida adulta.
Os ratos que tomaram álcool com energético se tornaram muito mais ativos (como era de se esperar) e seus cérebros foram inundados pela proteína ΔFosB, típica de quem abusa da cocaína ou da morfina. Quando adultos, os ratinhos se tornaram muito mais resistentes à sensação de prazer da cocaína – o que pode indicar que eles procurariam doses maiores da droga. 
“Tudo indica que as duas substâncias misturadas causam mudanças de comportamento e na neuroquímica do cérebro”, disse Richard van Rijn, um dos autores do estudo. “Há claramente efeitos em tomar essa mistura que não existiriam quando se toma o álcool ou o energético separadamente.”

30 de Outubro - Dia Estadual dos Profissionais da Beleza

sábado, 29 de outubro de 2016

Desobediência Civil dos Juízes? E dos Militares? ✰ Artigo de Sérgio Alves de Oliveira

É preciso colocar um basta na estrepolia que o Supremo Tribunal Federal-STF está fazendo com a Justiça Brasileira, protagonizada por um grupo de Ministros que por sua maioria não dignificariam qualquer tribunal do mundo.
Em primeiro lugar é preciso lembrar que a harmonia, equilíbrio e independência entre os Três Poderes, organizada com cientificidade a partir Montesquieu, nunca teve aplicação no Brasil, simplesmente porque a instância máxima da Justiça é preenchida por julgadores de livre escolha do Chefe do Poder Executivo Federal, com o “amém” do Poder Legislativo, dispensado dessa escolha, surpreendentemente, o próprio Poder Judiciário. Só esse fato já retira do STF- e dos demais tribunais superiores que seguem a mesma regra - totalmente a independência que deveria ter um tribunal quando dos julgamentos de questões que interessam direta ou indiretamente a seus “padrinhos” políticos.
Esse problema certamente não é de hoje, ou desde que o “consórcio” PT/PMDB assumiu o poder em 2003. Ele sempre existiu. Mas agora essa realidade se agravou, tomando contornos trágicos, riscando do mapa, totalmente, a compreensão que se deveria ter de uma verdadeira Justiça, harmonizada, equilibrada e independente frente aos dois outros Poderes, o Executivo e o Legislativo. A composição do STF é de 11 (onze) Ministros, 8 (oito) dos quais nomeados a partir de 2003, nos Governos do PT. E durante todo esse tempo, “eles” foram plenamente fiéis aos seus padrinhos, jamais contrariando os seus interesses mais importantes nas demandas em julgamento. Não adianta querer esconder essa realidade mediante construções retóricas bem feitas e decoradas. As decisões são publicadas e estão aí para qualquer um conferir. 
Esse descalabro político, administrativo, econômico, jurídico e moral, tudo ao mesmo tempo, e que jogou o Brasil no abismo da pior crise da sua história, se deu em virtude da prática de uma democracia absolutamente doente, cujo produto evidentemente não poderia ser satisfatório. O que chamam hoje no Brasil de “democracia”, nunca foi uma democracia de verdade, a partir da sua concepção originária. O que está em vigor nessa terra é a OCLOCRACIA, que se constitui numa democracia degenerada, corrompida, deturpada, virada ao avesso, uma democracia que está só no papel, não na realidade e na vida política. Esse fétido ambiente é o melhor possível para a pior escória da sociedade se acomodar, a sua patifaria política, e que é levada ao poder pela massa ingênua e ignara do povo, que dá o seu voto para esses impostores em troca de promessas que jamais serão cumpridas e algumas migalhas.
Os dois únicos Poderes que poderiam intervir para sustar essa caótica situação não o fazem por uma razão principal que é comum a ambos: a hierarquia e a disciplina. Esses Dois Poderes são o Poder Judiciário e o Poder Militar. O Judiciário não faz porque a sua instância máxima, o Supremo Tribunal Federal, está totalmente subjugado pelo ”status quo” político reinante, do qual é cúmplice.
Mas não é muito diferente o que ocorre dentro do Poder Militar. Se dependesse das suas “instâncias inferiores”, da “caserna”, das “tropas”, sem dúvida já teria sido acionado o legítimo instrumento previsto no artigo 142 da Constituição, ou seja, a INTERVENÇÃO CÍVICA CONSTITUCIONAL, a intervenção do poder instituinte e soberano do povo, já que configuradas todas as condições para essa intervenção. No Poder Militar essa resistência das hierarquias superiores à “intervenção” vai a um extremo tão absurdo que os fundamentos anunciados para essas resistências mais parecem partir de analfabetos funcionais, que sabem ler, inclusive a Sempre que se fala em “desobediência civil”, a tendência natural é de equiparar essa atitude a algum “direito” escrito pelo demônio. Os “poderes dominantes” sempre abominam essa prática, criminalizando-a tanto quanto possível. É o mecanismo
de defesa que “eles” usam ante qualquer ameaça ao poder estabelecido “deles”, mesmo que espúrio. Mas existem situações concretas em que a única saída reside na DESOBEDIÊNCIA CIVIL, que se resume numa atitude legalmente aceita contra um regime imposto por um governo opressor, e que se dá quando um grupo expressivo de pessoas se recusa a obedecer determinadas leis ou ordens, em forma de protesto, por julgá-las imorais ou injustas. Como conceito, a desobediência civil foi idealizada pelo norte-americano Henry David Thoreau (1817- 1862), um poeta, naturalista, historiador, filósofo e ativista, que ficou mais conhecido por lutar contra o seu governo na cobrança de impostos para sustentar a guerra contra o México, no Séc. XIX.
Mas a desobediência civil não pode ser confundida com a desobediência comum, que visa acabar com a ordem e a harmonia social. Ela possui um caráter de inovação, não quer “destruir” o governo, porém somente melhorá-lo, conforme as reais necessidades do povo, que não se limitam às “bolsas família da ‘vida’ “, e outras esmolas assistencialistas. Esse tipo de desobediência se resume num PROTESTO POLÍTICO, com sustentação de ordem moral. E como forma de protesto pacífico, ela influenciou os trabalhos e ações de importantes personalidades do mundo durante os Séculos XIX e XX, como Martin Luther King Jr. E Mahatma Gandhi.
Para que não se caia em dúvidas conceituais, registre-se, por oportuno, que a desobediência civil trata-se simplesmente do exercício pleno do DIREITO DE RESISTÊNCIA, que na hierarquia dos direitos equivale ao direito de “legítima defesa”, consagrado universalmente, e nada tem a ver com a distinção entre as categorias profissionais de “civis” e “militares”, ambos igualmente protegidos e titulares desse direito, a desobediência civil.
Não teria qualquer validade a eventual alegação do “sistema” de que todos os reclamos da sociedade poderiam ser buscados através da prática da sua “pretensa” democracia. E isso por uma só razão: onde estaria essa tal de “democracia”? Saberiam “eles”, porventura, que a desobediência civil está amparada na verdadeira democracia?
Que é democracia “pura”? Que é DEMOCRACIA DIRETA, na sua mais pura concepção, consagrando inequivocamente o princípio constitucional segundo o qual TODO O PODER EMANA DO POVO?
São muitos os atentados que já foram cometidos pelas autoridades constituídas que justificariam a deflagração do processo de desobediência civil, seja pelos juízes, seja pelos militares, seja por ambos conjuntamente, seja por qualquer outra organização da sociedade civil. Mas faltaria espaço aqui para enumerá-los, um a um. Mas no meio militar, mereceria destaque a absurda punição recebida pelo General Antônio Hamilton Mourão, que nessa época (2014) era o Comandante Militar do Sul, do EB, por ter este manifestado, num ambiente restrito, algumas críticas ao sistema político vigente. Um ex-terrorista, que hoje é Senador da República, não gostou e fez queixa ao Governo e imediatamente o General Mourão foi demitido do seu comando. Isso se deu num momento em que Dilma, do PT, ainda era Presidente da República. Mas veio o afastamento (impeachment) dela, Temer, seu vice, do PMDB, tomou posse, e o General Mourão continuou e continua no castigo. Ora, esse simples fato por si só já justificaria a desobediência civil (ou militar, se preferirem) das FFAA, que poderia ser executada através da intervenção do art. 142 da CF, independentemente da concordância, ou não, dos seus comandantes. Não há hierarquia no exercício do direito da desobediência civil.
Já no Judiciário acaba de ocorrer um fato tão ou mais grave ainda. Deflagrada pela Polícia Federal de Brasília, neste mês de outubro, a Operação Métis, para apurar corrupção no Governo, a Polícia Federal recebeu ordens para prender alguns policiais legislativos do Senado, por determinação judicial. Executada a diligência, imediatamente o Presidente do Senado, Renan Calheiros, protestou aos berros contra a diligência, e seu protesto teve eco no Ministro Teori Zavascki ,do STF, que determinou o imediato cancelamento da operação policial, a soltura dos policiais legislativos e a remessa dos autos ao STF, retirando do Juiz Federal de Primeira Instância (Vallisley S. Oliveira) ,a competência para prosseguir no referido processo, tudo provocado formalmente por reclamação de um dos policiais legislativos presos (Antônio Tavares dos Santos). Foi uma questão de 5 minutos para Teori dar o seu despacho de cancelamento da Operação, embora a sua recente reclamação de que o Supremo precisaria ter 200 Ministros para atender a demanda de processos.
Resumidamente, ele simplesmente “emendou” a Constituição, no” canetaço”, na “marra”, incluindo os policiais legislativos do Senado entre os beneficiários do tal “foro privilegiado” junto ao STF. O incrível em tudo isso é que aquele que deveria ser o primeiro a condenar o ilícito da “obstrução da Justiça”, foi justamente o primeiro a obstruir a Justiça. O ilustrado
Ministro com essa decisão não praticou a “harmonia” entre os Poderes, um dos elementos do sistema de “freios e contrapesos” dos Poderes de Estado, porém deu total cobertura ao eventual crime que poderia estar sendo praticado no berço de outro Poder, no Senado Federal.
Portanto todos os requisitos que dão legitimidade à DESOBEDIÊNCIA CIVIL dos juízes e militares estão presentes, independentemente da vontade dos seus respectivos comandos hierárquicos, o que poderia ser melhor instrumentalizado por meio da aplicação do disposto no artigo 142 da Constituição.
Sérgio Alves de Oliveira - Advogado e Sociólogo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...