quarta-feira, 28 de junho de 2017

O que dizem as pesquisas? Absolutamente nada.

As pesquisas, faltando mais de um ano para as eleições em que nem se sabe quais serão os candidatos, nada esclarecem, mas causam burburinho (interesseiro, como sempre), como anota editorial do Estadão. Obviamente, o tiranete populista Lula aparece na frente - ah, esse Data Folha! -, já que o PT sempre contou com seus 20 a 30% de votos. Mas seu eterno palanqueiro, agora carregando seis processos no lombo, seguramente será condenado e ficará inelegível - aliás, não se elege nem para síndico do tal prédio de Guarujá. Com essa pilha de processos rolando em Curitiba, não deve nem festejar a absolvição do mochileiro do PT, Vaccari, pelo TRF-4, para onde deve recorrer ligeirinho após a primeira de uma série de condenações. Segue o editorial:
Saiu mais uma pesquisa de intenção de voto para a Presidência da República. Faltando mais de um ano para a eleição, não se sabe nem quais serão os candidatos – os partidos têm até agosto do ano que vem para tomar essa decisão –, mas o burburinho é garantido. Como em primeiro lugar aparece o ex-presidente Lula da Silva e em alguns cenários o segundo colocado é o deputado Jair Bolsonaro, isso basta para que se gaste muita tinta para especular as razões pelas quais o chefão petista está à frente, seguido por outro populista primário. Num momento em que o País precisa de serenidade e racionalidade para debater seu futuro imediato, só interessa a Lula, alvo de cinco processos judiciais e principal responsável pela atual crise, que esse debate seja preterido pelo escarcéu em torno da possibilidade de seu retorno à Presidência.
Ora, em primeiro lugar é preciso enfatizar que Lula, aconteça o que acontecer, terá sempre em torno de 20% a 30% das intenções de voto no primeiro turno, pois é nesse intervalo que se encontra seu eleitorado cativo. Na mais recente pesquisa, feita pelo Datafolha, o petista aparece com cerca de 30% em quase todos os cenários, contra 25% no levantamento anterior, de dezembro de 2016, e a maior parte do apoio se concentra no Nordeste, seu reduto eleitoral. Portanto, não há nenhuma surpresa, mas é claro que foi o suficiente para que Lula se jactasse de estar na dianteira “apesar da perseguição jurídica e midiática”.
A estratégia do petista é óbvia. Ele pretende constranger o Judiciário e confundir a opinião pública ao dizer que seus adversários querem vê-lo condenado para que não ganhe a próxima eleição presidencial. Para os propósitos de Lula, pouco importa se as pesquisas de intenção de voto que o colocam na frente dizem respeito a uma eleição que ainda está muito distante e apenas refletem a disposição de um eleitorado que ele sempre teve. O que interessa é ter à mão elementos que o ajudem a construir o discurso de perseguido político.
Nessa linha, o PT soltou ontem uma nota oficial em que diz que “condenar Lula, o maior líder popular na nossa história, significaria desferir um golpe mortal contra a justiça e a democracia do Brasil” e que “uma hipotética condenação de Lula teria como único objetivo afastá-lo das eleições de 2018”. Para o PT, “sem Lula, as eleições presidenciais não terão legitimidade e não passarão de uma fraude contra o povo brasileiro”.
Também interessa aos petistas reforçar a tese de que seus adversários são contrários a uma eventual antecipação das eleições presidenciais porque eles temem que Lula vença – e, mais uma vez, as pesquisas servem como ilustração dessa tese. Trata-se de uma grossa impostura. Deve-se impedir a antecipação das eleições presidenciais diretas não porque Lula possa ser favorito para vencê-las, mas apenas porque a medida contrariaria a Constituição.
O mais importante é desmistificar Lula de uma vez por todas – e para isso basta usar as pesquisas eleitorais. É fato que nelas o petista aparece bem colocado, o que deixa estupefato todo brasileiro de bom senso, em razão do mal que esse senhor já causou ao País. Mas uma leitura menos superficial dos números mostra um quadro bem mais complicado para o demiurgo petista.
Antes de mais nada, Lula aparece com 45% de rejeição – e não há notícia de que um candidato que sofra tamanha ojeriza consiga se eleger. Para piorar sua situação, a maior rejeição está no Sudeste, que concentra a maioria do eleitorado. Ali, nada menos que 55% dos eleitores disseram que não pretendem votar em Lula de jeito nenhum.
Outro aspecto relevante, mas pouco destacado é que, na pesquisa espontânea – quando não é apresentado o nome de nenhum candidato –, chegam a 52% os eleitores que ainda não sabem em quem pretendem votar em 2018. E isso se dá por razões muito simples: a eleição está muito longe, ninguém sabe ainda quais serão os candidatos e há problemas mais graves para enfrentar. A bem da verdade, nem Lula está pensando em 2018. Seu único objetivo no momento é evitar a cadeia.

Um comentário:

Sérgio Alves de Oliveira disse...

Na verdade o sistema eleitoral desse país de "m..." privilegia sempre o grupo de consegue comprar a liderança nas pesquisas. Ora,sabidamente o povo é muito covarde.Gosta sempre de ficar ao lado do vencedor,nem importando as próprias convicções de cada um. Neste sentido a "escolha"prévia de um determinado resultado tem força bastante para induzir o eleitor a seguir os resultados apontados pelas pesquisas,nem importando que tenham sido forjadas. O fenômeno que passa no processo eleitoral é equivalente àquele princípio de que "toda a mentira repetida muitas vezes torna-se uma verdade". Foi assim que Hitler conseguiu convencer o povo alemão da época a seguir a sua pregação,no que foi ajudado pelo seus genial Ministro da Propaganda,Joseph Goebbels

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...