sexta-feira, 29 de junho de 2018

O yuan dos chineses faria Ciro Gomes Presidente? ✰ Artigo de Sérgio Alves de Oliveira

Se procedente for o alegado “ânimo” dos chineses de contar com um preposto seu para governar o Brasil, como uma futura “colônia”, investindo pesado na candidatura de Ciro Gomes (um “cara” que não é de direita, de esquerda, de “centro”, mesmo de “nada”), poder-se-ia se garantir desde logo que esse será o futuro Presidente. E na verdade não seria nenhuma surpresa, depois de tanta “porcaria” que o Brasil já teve ocupando a cadeira presidencial.
Todavia há que se reconhecer que a eventual eleição de Ciro, comprada a “yuan”, ainda seria menos danosa ao Brasil do que as eleições passadas do “PT&Comparsas”, com vitórias obtidas mediante o roubo de bilhões dos cofres públicos.
E ninguém melhor que um “cabeça-oca” como o Ciro Gomes para se prestar a esse papel de “serviçal” dos chineses. Para ser eleito Presidente, Ciro toparia parceria até com o “diabo”, tamanha a sua obstinação nessa meta, desde longa data, talvez só superada pela de Lula.
Mas na verdade, qualquer “trocadinho” retirado do estupendo PIB chinês de US$ 12,1 trilhões (80 trilhões de yens) já seria o bastante para comprar a eleição no Brasil. Só para fins de comparação, o PIB brasileiro é de apenas US$ 1,796, ou seja, cerca de 7 (sete) vezes menor que o chinês. Outro referencial ao PIB brasileiro seria o valor atribuído ao que muitos garantem ter sido roubado no Serviço Público desde 2003.
Em 2014, o Produto Interno Bruto chinês correspondia a l6,6% do PIB MUNDIAL, enquanto o dos EUA era de “apenas” 16%. 
Mas essa qualidade de “qualquer um” atribuído ao ex-Governador do Ceará, se ajusta como uma luva ao perfil político desse político destrambelhado. Nada melhor que um deficiente de caráter como esse sujeito para ser comprado e mais tarde manipulado pelo poderio econômico e político chinês.
Como se vê diariamente nos noticiários internacionais, o Presidente chinês, Xi Jinping, pegou a mania de fazer uma espécie de turismo “político” inédito, viajando por todos os continentes e comprando tudo de interessante que vê pela frente. E o Brasil não fica nada para trás. Bem “devagarinho”, os chineses estão investindo alto na economia brasileira. E comprando tudo a “preço de banana”. E quando dominarem a economia, o “resto”, inclusive a política, viria ao natural, de arrasto. E ao que parece o primeiro investimento político chinês já teria começado, talvez com Ciro Gomes.
Os chineses já devem ter apreendido que uma vitória na deturpada “democracia” brasileira sempre vai depender da “compra” de votos. E também devem saber que o PT se manteve tanto tempo no poder, desde 2003, não só “roubando” o dinheiro público para suas campanhas eleitorais subsequentes, e “outras compras”, mas também distribuindo aos eleitores mais necessitados a esmola que chamaram de BOLSA FAMÍLIA, ”conversível” em votos nas urnas eleitorais eletrônicas, também manipuladas em flagrante fraude.
Ora, essa quantia dispendida pelo erário para pagar a folha de pagamento do “bolsa família”, expressiva em termos de economia do Brasil, seria uma verdadeira “meleca” para os chineses, que têm um PIB sete vezes maior que o brasileiro. Facilmente eles poderiam prometer na campanha presidencial de Ciro aumento expressivo do valor do BF e também multiplicar o número dos seus beneficiários. É claro que os “trouxas” acreditariam e os “chinas” jamais cumpririam essa promessa. Afinal eles representam a nova modalidade do IMPERIALISMO, o imperialismo mais moderno, ainda tendo a cara de pau de usar a máscara da ideologia “comunista” para dominar os outros povos como jamais antes foram dominados. Nesse ritmo, o imperialismo chinês vai acabar dominando o mundo.
Sérgio Alves de Oliveira - Advogado e Sociólogo

A Alemanha e a Copa do Mundo de 2018

No final da copa não teremos mais presos

Uma quadrilha do Supremo Tribunal Federal (STF), dita 2ª Turma, está aproveitando o fanatismo de grande parte da população brasileira com a seleção para fazer aquele velho acerto de contas com a bandidagem. Uma imoralidade! Acolheu pedido do casal de picaretas Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo, ladrões dos cofres públicos, anulando as provas da Polícia Federal (PF) na busca realizada no apartamento dela.
Confirmou a soltura de João Claudio Genu e Milton Lyra, trancou a ação penal contra Fernando Capez, o ladrão da merenda escolar, e de quebra mandou soltar o facínora José Dirceu , um pseudo guerrilheiro, um covarde que viveu por cinco anos na clandestinidade, escondido debaixo da saia de uma mulher no interior do Paraná e que hoje é tido como “guerreiro do povo brasileiro”.
Será que esse três elementos, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, que estão desonrando o que ainda resta da justiça brasileira, não percebem que estão fazendo apologia ao crime, à desonestidade, à corrupção? Quanto estão recebendo para isso? São dívidas antigas pagas com juros e correção? Criem vergonha, desapareçam. O Brasil não mais suporta ver suas caras.
Humberto de Luna Freire Filho - Médico – Cidadão brasileiro sem medo de corruptos

Esse vídeo não funciona com o bolsonarista raiz ✰ Comentário de Vera Magalhães

 
Comentário de Vera Magalhães sobre a nova peça publicitária do PSDB Mulher, 
que chama o deputado Jair Bolsonaro de machista, racista e homofóbico.
PSDB não esconde o seu desespero. Alckmin, com 6% das intenções de voto, levou o PSDB a reconsiderar a escolha, se reunindo com Temer e Rodrigo Maia para colocar Dória no lugar de Alckmin. Não é a primeira vez que o PSDB propaga mentiras a respeito do presidenciável que lidera em todos os cenários.

Vídeo-Resposta ao PSDB. Jair Bolsonaro? Tô dentro!! ✰ Comentário de Camila Abdo

Paciente morre à espera de decisão do STF sobre remédios


Paciente morre à espera de decisão do STF sobre remédios. O @showdavida fez uma reportagem sobre o caso da Alcirene Lima Oliveira, que sofria de distúrbio mineral e ósseo. Nessa época, ela já lutava pelo remédio: https://goo.gl/DoB4DU @octavio_guedes
Alcirene Oliveira era pobre e anônima.Ela precisava da justiça para receber um remédio que lhe garantiria a vida. Alcirene morreu. Ela esperou 7 longos anos e não viveu para ver seu recurso julgado no @STF_oficial. Lá, apenas bandidos graúdos têm preferência. O STF mata.

Quem está jogando contra o Brasil

Brasil, uma nau a deriva ✰ Artigo de Marcelo Aiquel

Como advogado, não deveria criticar abertamente a Suprema Corte, mas, o que tem sido decidido por parte de alguns membros do STF me impulsiona a escrever tal artigo.
As “aberrações” jurídicas patrocinadas por certos ministros beira as raias do absurdo.
Impossível que um “mestre” do direito (como, aliás, se exige sejam os ministros da Suprema Corte, donos de notório saber jurídico) cometa tais erros crassos, injustificadamente.
Porém, não se tem nenhuma rasa certeza de que estes magistrados tenham se enganado.
Desde os bancos da universidade, aprendemos (os advogados) que as decisões do STF são soberanas.
Mas, parece que para alguns dos “mestres do direito” esta lição foi esquecida. Injustificadamente!
Ao “atropelarem” recente interpretação do colegiado da Suprema Corte, estes ministros simplesmente “passaram o carro” por sobre o entendimento da maioria, ignorando-a solenemente.
E, coincidentemente, em favor de um político “aliado”.
Terá sido uma resposta direta aos colegas que pensam diferente?
Num mesmo barco, comandantes que “dirigem” no sentido oposto, o fazem perder-se no rumo.
Ficar à deriva.
Como o Brasil está! Sem comando e sem lei...
Marcelo Aiquel – advogado

Loja Cavalera Shopping Morumbi ATACA Bolsonaro em estampa e perde clientes

 
A Loja Cavalera que faz campanha DENEGRIND0 Bolsonaro é parceira comercial da Rede Globo 
e o seu fundador é ex-deputado do PSDB. Coincidência?
Entrem no Google e vejam a péssima avaliação dessa loja lixo. Loja Cavalera Shopping Morumbi.

Comandante do Exército homenageia Mário Kozel Filho, soldado morto após atentado terrorista de grupo integrado por Dilma Rousseff

O General Villas Bôas fez uma homenagem ao soldado Mário Kozel Filho, que foi assassinado há 50 anos pelo grupo terrorista VAR-Palmares, integrado pela ex-presidente deposta Dilma: 
"Há 50 anos, em um ato terrorista perpetrado contra o quartel-general do então II Exército em São Paulo, faleceu, com apenas 18 anos, o Soldado Mário Kozel Filho. Nossos heróis serão sempre lembrados. Kozel, o Exército lhe presta continência! Obrigado, Soldado!".
Folha Politica

Lula acaba de bater novo record pessoal

Meu pai foi sequestrado e torturado por Dilma Rousseff

Segue o relato do advogado Alexandre Rudge Castilho (OAB/SP 162.859):

Meu pai foi sequestrado, torturado e espancado no final dos anos 60.
Sequestrado pela sra. ex-presidente da República Dilma Rousseff e os seus companheiros de terrorismo.
Ele ainda teve o seu veículo roubado pela gangue da sra. Presidente, que posteriormente foi usado para o roubo de dinamites de uma pedreira […] logo em seguida, essas dinamites serviram para o ataque com carro bomba no QG do II exército em São Paulo, resultando na morte de um jovem chamando Mario Kozel Filho, que prestava o serviço militar obrigatório com os seus 18 anos de vida.
A srª ex-presidente e a sua gangue nunca lutaram pela democracia […] lutavam para implantar a ditadura do proletariado conforme ela mesma afirmava à época.
Ela nunca lutou contra uma ditadura …. ela queria que fosse a ‘ditadura dela’ […] aquela que mata todo e qualquer direito individual do cidadão.
Ela mente quando afirmou que não praticou “crimes de sangue”.
Sequestrou. Roubou. Matou.
Essa é a realidade.
Escrevi esse relato porque escutei inúmeros deputados federais bradando sobre a “honradez” e “pureza” da srª ex-presidente da República.
Reafirmo: Ela sequestrou, torturou, roubou e matou.
Podem ler na página 16 — 1.° Cad., Jornal do Brasil, quinta-feira, 27-6-68 onde cita o ASSASSINATO e o nome do meu pai como um dos donos dos veículos usados no atentado no QG do II Exército em São Paulo.
Agradeço aos milhares (não imaginava que isto aconteceria) de mensagens de apoio, pedidos de compartilhamento e de amizades que recebi nesses dias, em especial ao colega Emanuel Fonseca pelo resgate do documento histórico.
Alеxаndrе Rudgе Cаѕtіlhо

As propostas de Jair Bolsonaro ✰ Comentário de Camila Abdo

Geddel Vieira Lima desacata agente penitenciário e é transferido para solitária na Papuda

O ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA), aquele dos 53 milhões de reais encontrados em um apartamento dele em Salvador, foi transferido na terça-feira (25) para uma cela em que ficará isolado na Penitenciária da Papuda, em Brasília, após episódio de desacato a um agente penitenciário. 
A permanência na chamada "solitária" será inicialmente de dez dias. Depois disso, ele poderá voltar para o convívio dos demais presos. Durante o período de castigo, Geddel não poderá tomar banho de sol e só receberá visitas de advogados. Em nota, a Subsecretaria do Sistema Penitenciário do Distrito Federal informou que o emedebista foi isolado por desrespeitar o agente durante uma revista pessoal. "O procedimento é adotado para todo detento que cometa falta disciplinar em estabelecimento prisional", justificou o órgão, que não deu detalhes do episódio. 
A ocorrência foi registrada na 30ª Delegacia de Polícia, em São Sebastião. O fato, segundo a secretaria, também será oficiado ao Ministério Público do Distrito Federal e à Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça. Geddel Vieira Lima está preso preventivamente desde setembro do ano passado, após a Polícia Federal apreender R$ 53 milhões dele em um bunker em Salvador (BA). Ele foi denunciado por fazer parte, juntamente com outros integrantes de seu partido, de uma organização criminosa que desviava recursos de órgãos públicos e estatais, entre eles a Caixa Econômica Federal.

1º adesivaço pró Bolsonaro ✰ Vargem Alta ES - 30 junho 2018 - 10 horas

A agente federal Claudia Horchel, a "Loiraça da Federal", que prendeu Sérgio Cabral e outros, anuncia candidatura a deputada federal

Claudia Horchel, agente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, que se notabilizou participando de todas as operações ostensivas da Lava Jato no seu estado, escoltando para a prisão bandidos como o ladrão peemedebista Sérgio Cabral, ex-governador, e o presidente da Assembléia Legislativa, Jorge Picciani, do mesmo partido, anunciou nesta quarta-feira, pela sua página no Instagran (https://www.instagram.com/claudiahorchel/?hl=pt-br) que irá concorrer a deputada federal. 
Claudia Horchel está filiada ao Podemos e se afastará da Operação Lava Jato e da Polícia Federal no próximo dia 7 de julho, para iniciar sua campanha eleitoral. Claudia Horchel já ficou conhecida no Brasil inteiro como a "Loiraça da Federal". Em sua página no Instagram ela mostra que é uma mulher de fibra e esportiva, como mostram as cenas de um treinamento da Polícia Federal em que ela toma choque. Ou as cenas (filmetes) em que é vista praticando surf nas praias do Rio de Janeiro. 
A candidatura de Claudia Horchel se insere na estratégia da Polícia Federal de lançar várias candidaturas, privilegiando policiais que se destacaram no País inteiro. A mesmo coisa está sendo feita também pelas Forças Armada e pelas Polícias Civis dos Estados.

Uma análise sobre o jingle do Meirelles ✰ Comentário de Carlos Andreazza

  
Comentário de Carlos Andreazza sobre a primeira música da campanha do ex-ministro da Fazenda à presidência.

Delegado desabafa após bandidos invadirem chácara e estuprarem mãe e filha na frente de pai de família

 
Bandidos armados com uma faca cometeram um crime brutal na noite desta terça-feira (26) na zona rural de Mandirituba, região metropolitana de Curitiba. Durante um assalto a uma chácara, eles estupraram mãe, de 45 anos, e filha, de 19. Tudo isso na frente do marido e pai, que foi espancado pelos marginais.
Encapuzados, os marginais renderam a mulher que lavava roupas. A mulher foi estuprada, enquanto o marido era agredido. Depois, os três bandidos foram até a filha, que também foi abusada. Após o crime, fugiram com um Gol vermelho de propriedade da família

O tenente Cason, da Polícia Militar (PM), lamentou a ação dos marginais. “Um crime bárbaro, chocante, e que estamos empenhados em localizar os suspeitos. Invadiram esta propriedade, no bairro Quatro Pinheiros, e praticaram os abusos de forma lamentável. Fugiram com um carro da família e acreditamos que estão na região”, descreveu à Banda B.
Os bandidos ficaram na casa por duas horas. Além dos abusos, eles ingeriram vinho e comeram o que tinha na geladeira da família. Os marginais fugiram levando R$ 600 em dinheiro, aliança de ouro e aparelhos eletrônicos.
A Polícia Civil de Fazenda Rio Grande investiga o caso.

3º Encontro de Veículos Antigos de Laginha - Pancas ES

Começará segunda-feira a venda de mate com maconha no Uruguai

Vovós uruguaias já podem alucinar ao tomar mate.

Depois que liberou a produção, venda e consumo da maconha no Uruguai, o governo deu um passo mais ousado e permitirá que a erva mate passe a ser vendida com a droga.
As vendas começarão semana que vem.
Duas marcas estarão no mercado: Consentina e La Abuelita.
O governo alega que o produto não tem efeito psicoativo, pois não possui THC (tetra-hidrocarbinol), principal componente da planta da maconha, sendo responsável por seus efeitos alucinógenos.

29 de Junho - Dia do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Ideias que vão nortear a economia brasileira se Jair Bolsonaro for eleito presidente do Brasil

 
A advogada Bia Kicis, conhecida ativista nas redes sociais gravou um vídeo com o economista Paulo Guedes que vem assessorando o pré-candidato presidencial Jair Bolsonaro na área econômica. Paulo Guedes tem atuado na iniciativa privada. É PhD em economia pela famosa Universidade de Chicago, Estados Unidos, conhecida por ser uma referência no liberalismo econômico e que teve entre seus scholars o famoso economista Milton Friedman.
Caso Bolsonaro saia vitorioso na eleição presidencial de outubro deste ano o o economista Paulo Guedes será o Ministro da Fazenda. É isso que se desenha mormente pelo fato de Guedes ter construído ao longo dessa campanha uma grande afinidade com Bolsonaro.
O depoimento de Paulo Guedes neste vídeo é sucinto mas dá para ter uma ideia de como atuará um eventual Governo tendo à frente Jair Bolsonaro.
Para quem imagina que o presidenciável Jair Bolsonaro estaria descurando a questão econômica verá que tudo não passa de famigeradas "fake news" produzidas à farta pelos titeriteiros do establishment.
Notem que nesta curta alocução Guedes não se atém a a determinadas medidas técnicas na economia mas insiste num fato de que sem ordem não há progresso ao aludir à questão da segurança. Neste caso faz coro com Bolsonaro que ao ser indagado por jornalista sobre como seria sua política econômica caso chegue à Presidência da República, respondeu: "como falar em economia se eu e minha esposa não podemos sair de casa para ir a uma restaurante?"

Alunos de humanas de uma universidade ainda não identificada, protestam contra os agrotóxicos

Chaves de cadeias nas mãos do STF

Entregaram as chaves dos presídios ao Supremo Tribunal Federal (STF). Porém só pode usufruir dos benefícios decorrentes da medida os presos ricos, os que roubaram muito e repassam parte do roubo para advogados receptadores de furtos a título de honorários, e que os levam até a 2ª Turma do supremo para os acertos finais.
É provável que essas duas últimas semanas tenham sido as mais imorais da corte com a liberação total da bandidagem e em desrespeito à sociedade. Como se já não bastasse a bandalheira “intra muros”, o ministro da casa ainda dá uma entrevista à imprensa internacional para dizer: a prisão de Lula é ilegal. Ora, o crápula que ele tenta defender está condenado a 12 anos de prisão em 2ª Instância.
A declaração do “ilustríssimo” ministro Marco Aurélio Mello foi feita em entrevista à RTP, uma das maiores redes de televisão de Portugal. Não restam mais dúvidas, esse muquifo chamado de suprema corte não passa de um puxadinho dos outros dois podres poderes e tem que ser fechado para pulverização. Está contaminado com tudo o que não presta e levando o Brasil a um quadro de septicemia irreversível.
Nosso país está desmoralizado em todos os aspectos, político, jurídico e administrativo. Parte da sociedade como um todo só se interessa pela “quedas” de Neymar. Acompanhei futebol por muito tempo e confesso que nunca vi coisa mais ridícula. Esse sujeito sem caráter é o que podemos chamar de anti-atleta. Um mau exemplo para a juventude que está se iniciando no esporte.
Humberto de Luna Freire Filho  – Cidadão brasileiro sem medo de corruptos.

Por que elas pretendem votar em Jair Bolsonaro?

 

Somos todos vira-latas ✰ Artigo de Fabrício Scalzilli

O respeitável economista e filósofo Eduardo Giannetti traz no livro “O Elogio do Vira-Lata e Outros Ensaios” uma visão romântica do “complexo do vira-lata”, expressão cunhada inicialmente pelo escritor Nelson Rodrigues, em 1958, para definir a falta de confiança da seleção brasileira que jogaria a copa do mundo daquele ano, mas cujo sentido se ampliou para um sentimento de inferioridade do brasileiro e, por outro lado, até certo encantamento e valorização com o vem de fora do país.
Giannetti tenta mostrar em seus ensaios um outro lado desta realidade, onde o vira-lata representaria a miscigenação genética e cultural do Brasil; ou seja, o que temos de melhor. Para o economista é preciso ter orgulho de ser vira-lata e valorizar esta condição brasileira.
Faço esta introdução para sintetizar abaixo o que é realmente ser um “vira-lata” no Brasil. Dias atrás, voltando com minha família de uma viajem ao exterior, incluindo meus dois meninos, um de dois anos e meio e outro de apenas cinco meses, chegamos ao aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, por volta das 5:30 da manhã, com conexão para Porto Alegre às 7:40. Havia, portanto, tempo suficiente para passar pelo controle de passaportes, pegar as malas – o que realmente fizemos em 30 minutos – e ir ao balcão da Gol Companhia Aérea, para pagarmos os cartões de embarque, entregarmos novamente as malas e irmos para o outro terminal de voos domésticos. Para minha incredulidade, mesmo chegando vários voos àquele horário, havia apenas uma única funcionária da companhia Gol trabalhando. Como resultado, a fila não parava de crescer e, naquela situação, minha família e outros certamente perderiam suas conexões. A título comparativo, outra companhia área, naquele dia, no lado oposto a Gol, tinha entre 6 a 8 posições, acredito, e todas estavam abertas com pessoas trabalhando e dando vasão ao volume de chegadas e conexões.
Levei imediatamente a minha preocupação a funcionária da Cia Gol quanto ao risco de perda da conexão, ainda mais tendo a necessidade de troca de fraldas e minha esposa de amamentar o nosso bebê, após 8 horas cansativas de voo. Fomos recebidos com tamanha rispidez e descaso que espantava. Sem sequer olhar nos nossos olhos, a funcionária disse simplesmente que era só ela mesmo ali trabalhando, que não poderia fazer nada e que aguardássemos na fila. Mais chocante foi quando, na fila, percebi uma senhora que aparentava entre 80 a 85 anos de idade, de cadeiras de rodas, sendo empurrada por seu filho, cansada e debilitada, sem qualquer prioridade ou assistência. Me vendo naquela situação, me dei conta exatamente do que é ser um vira-lata no Brasil e como o país te recebe. Mais chocante foi ver as pessoas na fila, conformadas, cansadas, num silencio constrangedor. Não havia forças para lutar contra àquela situação. Fato que muitas empresas, como a Gol Cia Aérea, nos tratam como vira-latas; o governo, que deveria fiscalizar e aplicar a lei nos trata como vira-latas, e, para piorar, os próprios cidadãos se tratam como vira-latas.
Como se imaginava, às sete horas da manhã, se arrastando, chega uma segunda funcionária, que vai ao seu balcão e ali fica alheia ao cenário de incredulidade. Várias pessoas numa fila, não sabendo, por falta de estrutura mínima da referida companhia aérea, se conseguiriam pegar a conexão para suas cidades. Nosso embarque era 7:10. Depois de quase uma hora na fila, a referida funcionária finalmente dá um sopro de vida e grita: “embarque para Porto Alegre aqui”, agora com uma urgência frenética e praticamente dizendo “corram para não perderem o voo”. Zarpamos em direção ao terminal doméstico, sem a certeza de que conseguiríamos embarcar. Absurdamente, logo em seguida nos deparamos com uma das maiores piadas de planejamento e construção em aeroportos brasileiros: os elevadores de Guarulhos. São minúsculos com capacidade para 2 a 5 pessoas, no máximo, conforme volume de malas e carrinhos. Deveriam estar preparados para transportar de 20 a 30 pessoas ou, quem sabe, numa ambição chinesa, 100. Os sábios engenheiros e planejadores então fizeram dois elevadores minúsculos, achando que assim o problema de fluxo estaria resolvido. Resultado: mais fila e perda de um tempo precioso, na gincana que a Gol, para economizar em estrutura e ganhar mais dinheiro, nos propiciou. Na ida, apenas a título ilustrativo, desistimos de esperar o elevador, pois do térreo ao segundo piso o mesmo sempre está cheio, sem conseguirmos acessá-lo no primeiro andar. Impossível acessar esses elevadores em horário de pico!
Chegamos no embarque na última chamada para o voo, com cara de reprovação dos funcionários da Cia Gol, como se fossemos nós os culpados, fora a cena constrangedora dos passageiros te encarando com a certeza de que nós realmente havíamos nos atrasado. Corremos tanto entre os terminais – o tempo médio é oito minutos caminhando e devemos ter feito na metade do tempo - empurrando carrinho, mala de mão e criança de colo, que chegamos exaustos, suados, sem chance de atender nossos filhos e suas necessidades mínimas, entre as conexões de São Paulo à Porto Alegre.
Neste momento vem a frase arrebatadora do piloto: “Em respeito aos nossos clientes às portas foram fechadas no horário e estamos prontos para partir”. Este deve ser o momento sublime que o economista e filósofo Eduardo Giannetti talvez enxergue no vira-lata brasileiro. Eu não, caro Giannetti. Para mim vale a máxima universal, aplicada em qualquer país sério: cidadão é cidadão, cliente é cliente e vira-lata é vira-lata. Somos hoje todos vira-latas no Brasil!
Fabrício Scalzilli  - Advogado

Candidatos esquerdistas comparados a países que disputam a copa do mundo 2018

A falta que o governo faz

Aprendi no curso de direito que juiz julga e decide. Não negocia. Analisa, estuda os autos e prolata a sentença. Bate o martelo. Fala por último. É por essa razão que, em outros tempos, juízes não davam entrevistas, nem se manifestavam sobre casos concretos. Mesmo durante as aulas, quando algum aluno esperto fazia pergunta muito específica, o mestre se desviava da armadilha. Respondia de maneira genérica. Jamais antecipava ou anunciava opinião sobre questão objetiva. Os tempos mudaram.
Com todo respeito, Suas Excelências, ministros do mais alto plenário do sistema jurídico brasileiro, estão se fartando de dar entrevistas sobre os mais variados assuntos. Só não assisti até agora a bom debate entre eles sobre os jogos da Copa do Mundo. Todo o resto já passou pela argumentação dos juristas, que, aliás, são mais conhecidos pelo público do que os jogadores da Seleção brasileira de futebol. O auge ocorreu quando ministro reuniu em torno de si representantes do Poder Executivo e de empresas de transportes com objetivo de fixar o preço mínimo dos fretes. É a tabela.
Quem negocia é político. Deputados e senadores recebem polpudos salários para desatar os problemas nacionais. Cabe ao Judiciário decidir sobre a solução dos problemas. Esse é o papel do Judiciário. No entanto, no Brasil, com o governo federal em franco declínio, enrolado em problemas menores, e os parlamentares com olhos postos nas eleições de outubro próximo, os principais nomes do Judiciário tornaram-se os verdadeiros gestores do país. É difícil imaginar um ministro da Suprema Corte dos Estados Unidos na mesma situação.
No regime capitalista, não há consenso. Há concorrência. Ganha quem oferecer o preço mais baixo. Até segunda ordem, o sistema ainda não foi revogado no Brasil. Os caminhoneiros querem ganhar mais, o que é justo. Mas aumento do custo do frete significará elevação de preços nos supermercados. E uma série de aumentos na cadeia do comércio. O que vale a pena notar é a falta que um governo faz. Na ausência dele, coisas espantosas começam a acontecer com inquietante regularidade. E, aparentemente, ninguém reclama, protesta ou ao menos percebe. É o caso da tentativa de criar uma tabela para preço do frete.
Mussolini disse uma vez que tentar governar a Itália não era difícil, era inútil. Hoje é possível utilizar o mesmo raciocínio para dizer que criticar o governo Temer não é difícil, é, apenas, inútil. O governo Temer acabou. Perdeu a base parlamentar, está a seis meses do final do mandato e só permanece vivo por causa da rigidez do sistema presidencialista. Há um mandato com datas fixas. Se o Brasil fosse um país parlamentarista, a crise já estaria resolvida e novo centro de poder devidamente instalado no Palácio do Planalto. E a liderança do Partido dos Trabalhadores não poderia dizer que houve um golpe. No parlamentarismo, líderes sobem e descem regularmente. Os ingleses deram o melhor exemplo. No final da Segunda Guerra Mundial, a oposição no parlamento convocou eleições gerais. Churchill, o grande líder que venceu o fascismo, foi candidato e perdeu. Deixou o cargo de primeiro-ministro. Não ocorreu nenhuma crise.
O país está paralisado por causa da Copa do Mundo. É um escapismo evidente. Ninguém está com vontade de discutir política diante da enormidade dos problemas nacionais e da indigência dos candidatos que apareceram até agora. Melhor torcer pelo time que está na Rússia enfrentando hesitações do que discutir eventuais candidaturas. É um alívio temporário. Cedo ou tarde, o brasileiro terá de encarar a realidade.
Sem governo, o país segue à deriva. O mercado financeiro, que não dorme, joga seus dados para aumentar as taxas de juros. Os bancos não sabem conviver com inflação baixa. A diferença entre a Taxa Selic e a que é cobrada nos financiamentos demonstra que as sucessivas fusões de instituições financeiras criaram um monstro dentro do país. Esse monstro é integrado por dois colossos estatais, cujos nomes não é preciso recitar. Eles atuam como empresas privadas e espoliam o consumidor da mesma maneira que os concorrentes privados.
Tudo isso resulta da omissão do governo federal. Ele se omite porque deixou de ter eficiência e eficácia. Não possui objetivos, metas ou resultados. Prefere atribuir decisões complexas ao Supremo Tribunal Federal. Sinal de que não mais dispõe das condições mínimas para governar. Acabou. Só o calendário o mantém vivo. 
André Gustavo Stumpf - Jornalista

Não podemos ficar calados diante das decisões da Segunda Turma do STF ✰ Comentário de Marco Antonio Villa

 

Curtindo a solidão ✰ Artigo de Tito Guarniere

A solidão não é, em si, um mal. Como disse o cineasta Woody Allen, em outro contexto, não devemos desprezar a solidão, pois quando estamos sós, estamos na companhia da pessoa que mais gostamos.
Não lhes falo da solidão do amor, do asilo, do exílio, mas da opção consciente de ficar a sós um par de horas, um dia inteiro até. Falo de um intervalo livre das injunções e palpites que nos cercam e de certa forma nos aprisionam. Misturados nos ambientes de convívio humano, perdemos um pouco da nossa individualidade, nos afastamos dos nossos percebimentos naturais e de nossas intuições mais genuínas.
Não se trata - longe disso – de fazer um exame de consciência, na tradição judaica-cristã. Já cometemos erros suficientes, tropeçamos bastante em nossos defeitos e atos impensados. E ainda vamos nos dar ao luxo de ficar remoendo fiascos e fracassos, tendo de concluir, então, que somos ainda piores do que imaginamos?
Também não é para corrigir rumos, dar novo sentido às nossas escolhas, planejar o futuro breve e remoto. Se for para fazer planos, recompor em ordem a vida, é mais sensato buscar companhia, discutir em mesa redonda, ouvir conselhos, ler um livro de autoajuda. Na solidão do bem apenas damos um tempo para nós mesmos. A sós, deixamos rolar, soltamos as velas, abrimos o coração para a emoção e o bem viver.
Busque um canto sossegado, desligue o telefone e curta a sós a vida. Tome um texto, um poema que você um dia apreciou, mas não foi fundo. Leia de novo o poema de Drummond, o texto de Vargas Llosa, o conto de Machado de Assis. Então, - e isto é certo - encontrará significados novos, tocantes, profundos, palavras que redimem e restauram a fé na vida e na humanidade.
Sozinho, em posição confortável, escolha um disco. Tom, Elis, Ernesto Nazareth, Gershwin, Cole Porter, por aí. Deixe o disco rolar até que o ar fique rarefeito, respire cada acorde, cada tom sutil, até que a alma transborde de emoção. Ouça em calma, como se fosse a última vez o “Take Five” na gravação histórica de 1959 do quarteto de Dave Brubeck. Dá para ver: mãos mágicas movem as teclas do piano; sopros contidos, calculados em rigor de álgebra, acionam mecanismos sutis do sax-alto; dedos ágeis esvoaçam - talvez toquem, até - as cordas do baixo; as baquetas voam dos pratos aos taróis da bateria, na velocidade da luz, o conjunto perfeito, a cadeia lógica dos sons, a dança surreal dos instrumentos.
Veja um filme. Veja “Picnic - Férias de Amor”, de Joshua Logan. Embale seus sonhos com Kim Novak e William Holden dançando “Moonlight” no deck à beira do lago, à luz de lanternas chinesas, cheios de amor para dar. Veja “Uma Aventura na Martinica”, de Howard Hawks, o grande Hawks, um “Casablanca” menor, mas não muito, o filme onde Lauren Bacall e Humphrey Bogart se conheceram e viveram felizes até a morte dele, em 1957.
É isso, caro leitor. Como Fernando Pessoa disse com total razão, tudo vale a pena se a alma não é pequena. Até a solidão.
Tito Guarniere - Bacharel em direito e jornalismo, colunista do jornal O Sul, de Porto Alegre.

Pesquisa estimulada para presidente em Minas Gerais ✰ DataPoder 360

Collor amarelou e não é mais pré-candidato à Presidência da República

A direção executiva nacional do PTC (Partido Trabalhista Cristão) decidiu não lançar candidatura à Presidência da República. Com a decisão, o senador e ex-presidente Fernando Collor (AL) não deverá concorrer novamente ao Planalto. Collor havia anunciado sua pré-candidatura à Presidência em discurso no Senado em fevereiro. O comunicado foi divulgado na noite desta segunda-feira (25/6) em nota assinada pelo presidente nacional da legenda, Daniel Tourinho.
De acordo com Tourinho, o recuo de concorrer à Presidência tem como foco a “sobrevivência” do PTC. O partido quer ultrapassar a cláusula de desempenho nas eleições de outubro. Pela regra eleitoral, legendas devem alcançar 1,5% dos votos válidos para a Câmara dos Deputados e, nove estados para terem acesso, por exemplo, ao fundo partidário e tempo de rádio e televisão.
Em 1989, Collor foi eleito presidente na primeira eleição pós-redemocratização do país. Na ocasião, derrotou nomes como Leonel Brizola (PDT) e Ulysses Guimarães (PMDB) no primeiro turno e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no segundo turno.
Collor foi o primeiro presidente a ser afastado temporariamente em processo de impeachment no país. Renunciou ao cargo horas antes de ser condenado pelo Senado por crime de responsabilidade.

Leia a íntegra da nota:
“O PTC – Partido Trabalhista Cristão, em reunião da comissão executiva nacional, após intensa discussão interna e avaliação do cenário político brasileiro, decidiu não lançar candidatura própria ao cargo de Presidente da República.
A Direção Nacional do PTC possui duas grandes responsabilidades junto ao partido. A primeira, com a sobrevivência do mesmo.
A segunda, com os milhares de pré-candidatos a deputados federais, deputados estaduais e senadores filiados ao partido, onde todos estão trabalhando arduamente, com sacrifícios pessoais e profissionais para, além de se elegerem, levar o PTC a ultrapassar a cláusula de barreira, elegendo deputados federais e obtendo mais de 1,5% dos votos válidos, nacionalmente.
Assim, com essa decisão de não lançar candidatura própria na corrida presidencial, o PTC busca, de forma sensata, respeitar as diversidades e diferenças estaduais e regionais do Brasil, exercendo a democracia dentro do partido e com seus filiados.
Daniel Tourinho – Presidente do PTC.”

Criminoso é cotado para ser vice-presidente de Ciro "sardinha" Gomes ✰ Comentário de Bruno Jonssen

 

TRF-4 nega devolução de R$ 22,7 confiscados de Zé Dirceu. Zé Dirceu enriqueceu no PT.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou provimento ontem (27/6) aos embargos de declaração da União/Fazenda Nacional que apontavam ambiguidade e contradição no acórdão do agravo de instrumento julgado pela 8ª Turma que negou assegurar parte dos valores confiscados do ex-ministro José Dirceu de Oliveira e Silva para pagamento de tributos. A União argumentava que a turma já havia decidido de forma diferente em caso análogo.
No recurso julgado pelo tribunal em abril deste ano, a Fazenda requeria o montante de R$ 22.729.835,63. Na ocasião, a turma negou procedimento sob o entendimento de que se tratava de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, não havendo imputação por cometimento de crime tributário, e por isso não poderia se cogitar a medida cautelar em favor da Fazenda.
Segundo o relator, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, neste caso, a decisão precede a análise do mérito e a medida foi negada porque não foram preenchidas as condições que autorizam a concessão da tutela de urgência, que são a existência da probabilidade do direito e o perigo de dano irreparável.
“A simples citação de precedente que guarda similaridades com o presente caso não importa em contradição tão-somente por haver pontuais diferenças entre as fundamentações que embasaram ambos”, afirmou Gebran.
A defesa apontou ainda algumas omissões, mas o desembargador ressaltou que se trata de “mero inconformismo” contra a decisão. “Ocorre que a simples insurgência das partes contra os fundamentos invocados e que levaram o órgão julgador a decidir não abre espaço para o manejo dos embargos de declaração, cuja modificação deve ser buscada pela via recursal apropriada”, concluiu Gebran.

Vocês já perceberam? Eles nunca se atacam.

Comunistas tentam se reagrupar se reunindo em julho em Cuba

O escritor e tradutor Bernardo Küster, que nos últimos tempos se transformou num 'youtuber' dos mais prestigiados, acaba de descobrir que no período de 15 a 17 de julho o Foro de São Paulo estará reunido em Havana. 
Para quem não sabe, o Foro de São Paulo é uma organização comunista transnacional fundada pelo ex-presidente Lula e por Fidel Castro em 1990. A ideia foi de Fidel que, naquela ocasião, aproveitou o surgimento de Lula na política brasileira para presidir a fundação do Foro e ser seu presidente. Hoje, Lula está na cadeia e Fidel Castro está morto. 
A ideia do Foro de São Paulo concebida pelo falecido ditador comunista cubano era a de transformar principalmente o Brasil numa grande Cuba, ou seja, introduzir aqui o sistema socialista cubano. O projeto continua de pé, tanto é que tentam reaglutinar os esquerdistas do continente, já meio desajustados, visto que perderam na Argentina, no Paraguai, no Chile e mais recentemente na Colômbia, enquanto a Nicarágua, Bolívia e Equador vivem convulsões políticas. 
Todavia, a grande mídia, toda ela controlada por comparsas do Foro de São Paulo, trata de escamotear as informações sobre a real situação desses países, mas tudo foi descoberto e revelado por Bernardo Küster.

STF perdeu-se ✰ Comentário de William Waack

 

Mais escolas, menos presídios?

Tomando como exemplo sua cidade, Porto Alegre - uma das capitais mais violentas do país, 
Percival Puggina afirma que "a simples existência de vagas prisionais tem claríssima e indispensável função pedagógica":

Em uma conferência proferida em 1982, Darcy Ribeiro foi incisivo: “Se os governantes não construírem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construir presídios”.
Darcy Ribeiro era estreitamente ligado a Leonel Brizola, que governou o Rio Grande do Sul de 1959 a 1963 contabilizando, entre suas realizações, a construção de mais de três mil escolas. Desde então, prédios e professores nunca foram, no Rio Grande do Sul, um problema a que se pudesse ou se possa atribuir nossos altíssimos índices de criminalidade. Durante décadas, o estado gaúcho ponteou os indicadores educacionais do país. Era “referência nacional”, dizia-se há algumas décadas, com a também reconhecida “modéstia” sulina.
Como explicar, então, o banditismo e a consequente insegurança instalada nestas bandas? Como explicar que em Porto Alegre ocorram duas vezes e meia mais homicídios/10 mil habitantes do que no Rio de Janeiro e quatro vezes mais do que em São Paulo, tornando-se a capital mais violenta do país fora das regiões Norte e Nordeste? Há algo aí cobrando, dos peritos, as necessárias explicações.
A Folha de São Paulo, em matéria de 17 de julho do ano passado, relatou que a cada dia, em média, quase dois professores são agredidos em seus locais de trabalho no Estado de São Paulo, com agressões que vão de socos a cadeiradas (tais dados só foram obtidos pelo veículo por meio da lei de acesso a informação). Numa pesquisa da OCDE que ouviu 100 mil professores em 34 países, 12,5% dos brasileiros relataram que são agredidos ou intimidados uma vez por semana dentro da escola. Sublinho: tudo isso acontece “dentro das escolas”! E o Brasil é o número 1 nesse lamentável indicador.
Na matéria de O Globo mencionada acima, a pesquisadora Rosemeyre de Oliveira, da PUC-SP, atribui a violência nas escolas à impunidade. Diz ela: “O aluno que agride o professor sabe que vai ser aprovado. Pode ser transferido de colégio - às vezes é apenas suspenso por oito dias”. Ou seja, também aí, no microcosmo da sala de aula, nossa tão conhecida impunidade é a regra, com resultados assustadores.
É possível que Darcy Ribeiro, se vivo fosse, estivesse postulando escola em tempo integral, solução pedagogicamente importante para ocupação do tempo das crianças e adolescentes, reduzindo sua disponibilidade para a influência das más companhias. Mas não creio que seja uma “solução” técnica e financeiramente factível por um setor público saqueado, vampirizado e falido. No RS, com drástica redução do crescimento demográfico, não faltam escolas (ao contrário, há unidades sendo fechadas). A despeito disso, os presídios estão superlotados e, visivelmente, pelos dados sobre ocorrências criminais, há mais bandidos soltos do que presos. É a impunidade no macrocosmo, estimulando a criminalidade e gerando insegurança.
A simples existência de vagas prisionais tem claríssima e indispensável função pedagógica.
Percival Puggina - membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor

Livros: o melhor abrigo contra a ignorância

CNJ decide que cartórios não podem registrar relações poliafetivas como união estável

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta terça-feira, 26, por maioria, que os cartórios brasileiros não podem registrar como união estável as relações poliafetivas, entre três ou mais pessoas. 
O pedido de providências foi proposto em 2016 pela Associação de Direito de Família e das Sucessões (ADFAS), que solicitou, em liminar, a proibição do reconhecimento do poliamor por dois cartórios em São Vicente (SP) e em Tupã (SP), que teriam lavrado escrituras de uniões estáveis poliafetivas. Sete conselheiros acompanharam o voto do relator João Otávio de Noronha, corregedor nacional de Justiça, pela procedência da representação. Outros quatro acompanharam a divergência aberta pelo conselheiro Aloysio Corrêa, que entende ser possível lavrar escrituras públicas em que se registre a convivência de três ou mais pessoas por coabitação. Contudo, de acordo com o seu voto, não se pode equiparar essas escrituras à união estável e à família. 
O conselheiro Luciano Frota foi o único a votar pela improcedência absoluta do pedido, sendo totalmente favorável à união poliafetiva, inclusive, considerando-a união estável. Ao proferir o resultado, a presidente do CNJ, ministra Cármen Lúcia, destacou que não é atribuição do conselho autorizar ou proibir a união poliafetiva, mas julgar se cartórios podem adotar registros de relação entre três ou mais pessoas. "Aqui nós não estamos tratamos da relação entre as pessoas, mas do poder de um cartório de receber a escritura."

28 de Junho - Dia Estadual dos Marisqueiros

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Pastor Silas Malafaia diz que “cristão de verdade” não vota em Marina "abortista" Silva

 
Na eleição de 2010, o pastor Silas Malafaia havia declarado apoio a Marina Silva, missionária da Assembleia de Deus. Contudo, a falta de firmeza da candidata, então no PV, em defender algumas das chamadas ‘bandeiras evangélicas’, o fez optar por José Serra.
Oito anos depois, Marina, agora na REDE, não mudou muito sua postura. Em entrevista às Páginas Amarelas da revista Veja desta semana, ela defendeu que questões como aborto e a descriminalização da maconha deveriam ser decididas em um plebiscito.
Nesta segunda-feira (25), Malafaia gravou um vídeo criticando a pré-candidata da REDE, onde lamentou tê-la apoiado no passado. “Pior que um ímpio é um cristão dissimulado!”, afirmou ele logo no início da gravação.
O líder do Ministério Vitória em Cristo questionou a ex-senadora: “Como um cristão nega fundamentos de sua fé? A vida é um dom de Deus”. Apresentando uma série de argumentos biológicos e morais, disse não aceitar a postura de Marina, pois “aborto é assassinato”.
Ao falar sobre a questão das drogas, o pastor disparou: “Marina, você não sabe o que é ter um drogado na família”. Lembrando que a legalização só iria piorar a situação, Malafaia destacou que essa questão também não poderia ser defendida por ela.
“Você envergonha os evangélicos. Um verdadeiro cristão tem que se posicionar firme contra esse lixo moral dessa sociedade pervertida”, asseverou.
Encerrou dizendo que os cristãos não deveriam votar em Marina, pois ele é “dissimulada” e sua postura, “pior que a de um ímpio”.

Rede Globo adverte sobre a posição de sua TV para assistir o jogo do Brasil

 

Se o MDB e PSDB não o querem, o PT o condena e a imprensa o massacra. Fique certo, ele é o cara!

Parece que o povo já decidiu. Com o corrupto petista ou sem ele, a eleição de Jair Bolsonaro é fato consumado. 

Observem, que, diuturnamente, tentam imputar-lhe tudo de ruim que existe na face da terra, porém não conseguem dizer que ele é corrupto.
Sendo assim, a bandidagem de colarinho branco, o crime organizado, com ramificações nos três poderes da República e os politiqueiros, que se elegem e vivem do emprego para enriquecer, estão desesperados. Dizem que Bolsonaro está com medo de um atentado – e quem não estaria? Dizem que está fugindo dos debates, que não entende de economia - mas elegeram Lula - que é radical, que pretende armar a população e prega que, "bandido bom é bandido morto”. Contudo, mesmo com esse corococó nojento, não conseguem seduzir o povo com suas mentiras.
Ora! Senhores, se 94% da população brasileira vive pedindo uma intervenção militar e os generais ignoram o clamor do povo, esse mesmo povo, elegendo Bolsonaro, poderá ter um ministério composto por militares competentes e sem a necessidade de intervir. Pois, é disso que os corruptos estão com medo, portanto o capitão precisa redobrar o cuidado, porque o passado diz, que aqueles que tentaram desafiar a máfia passaram para o outro lado da vida e hoje, seus restos mortais estão com, pelo menos, sete palmos de terra sobre eles.
Porém, depois de tanto sofrimento, ouvir mentiras e eleger corruptos, o cidadão de bem quer Bolsonaro na presidência, enquanto que o resto, estar armando para permanecer com os antigos bandidos viciados em roubar o país.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...